|
A+ / A-

“Interior não pode continuar a ser ignorado”, diz Cáritas de Portalegre-Castelo Branco

12 ago, 2019 - 16:30 • Ecclesia

A Cáritas diocesana já angariou mais de quatro mil euros para ajudar as vítimas dos incêndios de 2019.

A+ / A-

O presidente da Cáritas Diocesana de Portalegre–Castelo Branco diz que o interior “não pode continuar a ser ignorado” e a “ser pasto de chamas”.

Numa nota enviada esta segunda-feira à agência Ecclesia, Elicídio Bilé diz que “é necessário que todos estejam empenhados na coesão territorial, como grande objetivo para o desenvolvimento humano, harmonioso, integral e feliz”, observando que as “feridas” dos incêndios de 2017 ainda não estão cicatrizadas.

Depois dos fogos florestais, o bispo de Portalegre-Castelo Branco lamentou que todos os anos os incêndios atinjam de “forma dolorosa muitas localidades da diocese”.

“Não é difícil imaginar quanto desespero e dor isto provoca nas populações, quanto sofrimento, quanta pobreza a curto e a longo prazo”, disse D. Antonino Dias em declarações à agência Ecclesia, a 27 de julho.

Mais de quatro mil euros angariados

A Cáritas informa ainda que até este domingo, 11 de agosto, angariou um total de 4418,61€ para ajuda às vítimas dos fogos florestais do mês passado. Quem quiser pode continuar a contribuir, para o IBAN: PT50.0036.0057.99100143379.08.

Em Diário da República lê-se que o Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural reconheceu como “‘catástrofe natural’, o incêndio que atingiu entre os dias 20 e 23 de julho de 2019 diversas freguesias dos municípios de Vila de Rei e de Mação” (n.º 148/2019, 1º Suplemento, Série II de 2019-08-05).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.