|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

A greve e a maioria absoluta

12 ago, 2019 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


O Dr. Pardal Henriques lançou a greve porque estamos em período pré-eleitoral. O primeiro-ministro António Costa aproveitou a oportunidade e voltou a poder sonhar com uma maioria absoluta.

Há um mês, o líder do sindicato de motoristas de matérias perigosas, Dr. Pardal Henriques, lançou a ideia: aproveitar o facto de termos eleições a 6 de outubro para fazer uma nova greve, sem final marcado. Assim, foram interrompidas as negociações e o pré-aviso de greve foi entregue a 15 de julho.

Aproveitando o tempo de que dispunha até a greve se concretizar, cerca de um mês, o primeiro-ministro organizou uma resposta musculada e dramatizou a ameaça grevista. Tem-se repetido o comentário de que, tivesse sido Passos Coelho a proceder do mesmo modo, teria havido uma brutal reação vinda da esquerda. Mas, agora, a esquerda – incluindo o Bloco – reagiu com simpatia, compreensão e brandura.

A atitude firme do primeiro-ministro decorre da evidência de que esta greve é extremamente impopular, afetando a larga maioria dos portugueses. A firmeza de António Costa tem a ver com a oportunidade que esta greve lhe oferece para surgir aos olhos da opinião pública como o defensor dos portugueses, que assim poderão retribuir, dando-lhe uma maioria absoluta em outubro. Mas quem meteu a política no cerne desta greve foi o Dr. Pardal Henriques...

A aposta de A. Costa teria sido ganha a 100% caso a greve fosse desconvocada, perante as medidas anunciadas pelo governo. Mesmo assim, se as coisas não correrem mal para o governo, será um apreciável trunfo do PS nas próximas eleições.

Claro que há riscos de a greve correr mal para o governo. Se houver desacatos e confrontos violentos (que até podem ser obra de gente alheia aos motoristas), se os poderes públicos hesitarem ou, pelo contrário, exagerarem no emprego da força e, sobretudo, se a greve se prolongar por muitos dias, a imagem de “salvador da pátria” de António Costa ficará chamuscada.

Mas A. Costa decidiu correr o risco e é capaz de ganhar a aposta. Deve esta oportunidade ao Dr. Pardal Henriques.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    12 ago, 2019 11:50
    Concordo com Henrique Monteiro (Expresso Diário 9-08-2019): «não posso de deixar considerar inacreditável, e de uma total falta de sentido democrático, a resposta que o Governo deu ao pré-aviso de greve. Os nossos vigilantes antifascistas e defensores da democracia guardaram o silêncio…Como esta sexta-feira escreveu Ana Sá Lopes no Editorial do “Público” e Helena Garrido já tinha afirmado, se estas medidas tivessem sido tomadas pela direita, estava a esquerda em peso na rua a gritar contra o fascismo. Assim gritam uns poucos…Aqueles que costumam andar de cabeça erguida!»