|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

António Costa. Se sindicatos dos motoristas não “honrarem palavra”, Governo avança para requisição civil

11 ago, 2019 - 12:35 • Redação

Primeiro-ministro entra na guerra de palavras entre a Antram e os sindicatos de motoristas, que trocaram acusações sobre a lista de trabalhadores para serviços mínimos.

A+ / A-

O primeiro-ministro, António Costa, espera que os sindicatos dos motoristas “honrem a palavra” e cumpram os serviços mínimos. Caso contrário, o Governo não hesitará em avançar para a requisição civil.

No final de uma deslocação à Entidade Nacional para o Setor Energético (ENSE), de preparação da paralisação que começa à meia-noite, António Costa desejou “tudo corra pelo melhor, mas temos de estar preparados para o pior”.

O Governo decretou serviços mínimos entre os 50% e os 100%. Os sindicatos contestaram, mas garantem que vão cumprir.

“Desejamos que a lei da greve seja cumprida plenamente: que os trabalhadores exerçam o direito à greve e aos cidadãos que os serviços mínimos sejam cumpridos e que os sindicatos honrem a palavra que têm dado publicamente que cumprirão os serviços mínimos”, declarou o primeiro-ministro.

Se os serviços mínimos não forem cumpridos, António Costa explicou que está previsto um “Conselho de Ministros eletrónico à hora que for necessário para, assim que for constatada uma situação de incumprimento, poder ser decretada a requisição civil”.

Este domingo, a Antram, que representa as empresas do setor, e os sindicatos trocaram acusações sobre os trabalhadores destacados para os serviços mínimos.

O primeiro-ministro afirma que a Antram está a substituir-se aos sindicatos, porque estes não terão cumprido com a obrigação de fornecer a lista de motoristas.

“A Antram divulgou uma posição esta manhã, informando que os sindicatos não cumpriram a obrigação de, até à meia noite, fornecerem a lista de trabalhadores que deviam prestar serviços mínimos. A informação de que dispomos é que, neste momento, a Antram se está a substituir aos sindicatos, com as empresas a notificar os respetivos trabalhadores que se devem apresentar até às 6h00 da manhã para o exercício das funções necessárias ao cumprimento dos serviços mínimos e depois disso faremos uma avaliação”, disse António Costa.

O chefe do Governo afirma que a rede de emergência ou serviços mínimos podem mitigar os efeitos da greve que começa à meia-noite, “mas não eliminam os efeitos” da paralisação dos motoristas de matérias perigosas e de mercadorias.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.