Tempo
|
A+ / A-

Itália

Salvini acusado de gerar "crise artificial" para forçar remodelação do Governo

08 ago, 2019 - 18:34 • Redação com Reuters

Primeiro-ministro Giuseppe Conte reuniu-se com o Presidente, mas nada avançou sobre o encontro. Fonte da Liga diz que Salvini vai esclarecer a sua posição na próxima semana.

A+ / A-

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, reuniu-se esta quinta-feira com o Presidente do país, Sergio Mattarella, para discutir a situação política atual, perante rumores de um iminente colapso da coligação no poder.

A coligação, composta pelo populista MoVimento 5 Estrelas e a Liga (extrema-direita) de Matteo Salvini, está há vários meses a lidar com divisões internas por causa de uma série de políticas públicas.

As tensões, aponta a Reuters, atingiram um pico na quarta-feira, quando os dois partidos se colocaram em barricadas opostas durante uma votação no Parlamento sobre o futuro de uma contestada ligação ferroviária entre Itália e França.

De acordo com fontes governamentais, Conte não deu qualquer sinal de que pretende demitir-se do cargo de primeiro-ministro no seu encontro com Mattarella. Questionado pelos jornalistas sobre essa reunião, o chefe do Governo escusou-se a fazer qualquer comentário.

Ontem, durante um comício em Sabaudia, no sul de Roma, o líder da Liga e vice-primeiro-ministro, Matteo Salvini, proferiu um discurso carregado de indiretas sobre como poderia mandar abaixo o Governo que integra, sem no entanto avançar quaisquer informações concretas sobre que exigências ou condições terá apresentado a Conte para manter a coligação em funcionamento.

Era esperado que Conte desse uma conferência de imprensa esta tarde para levantar o véu sobre a saúde da coligação, um encontro com jornalistas que acabou por cancelar. Uma fonte da Liga disse à Reuters que Salvini vai clarificar a sua posição na próxima segunda-feira.

Atualmente, o MoVimento 5 Estrelas tem mais assentos no Parlamento do que a Liga, mas o partido de Salvini tem agora o dobro do apoio entre os eleitores, de acordo com sondagens recentes.

A Reuters recorda que, por várias vezes desde que a coligação entrou em funções, Salvini e outros elementos da Liga ameaçaram derrubar o Governo e forçar a marcação de eleições antecipadas quando negociações específicas não lhes correm de feição.

Uma crise governamental em agosto, com uma grande parte dos italianos de férias e com o Parlamento igualmente fechado para férias de verão, seria altamente incomum, acrescenta a agência.

Uma "crise de verão" artificial?

O Presidente, que é, como em Portugal, o único com poderes para dissolver o Parlamento, pode não querer fazê-lo até os deputados voltarem ao trabalho em setembro, altura em que começarão os debates e votações do Orçamento para 2020.

No contexto de eleições antecipadas, o MoVimento 5 Estrelas é o que mais tem a perder. Esta quinta-feira, o líder do partido, Luigi Di Maio, cancelou uma série de eventos públicos e acusou Salvini de estar a fazer "jogos políticos" para conseguir garantir mais ministros do seu partido na coligação, algo que o líder da Liga desmente.

A Liga continua a garantir que não quer uma remodelação governamental, mas sim ser mais ouvida numa série de áreas sobre as quais tem uma "visão diferente" do 5 Estrelas, incluindo infraestruturas, impostos, justiça, autonomia regional e relações com a União Europeia.

"Cada dia que passa é um dia desperdiçado", referiu o partido de extrema-direita em comunicado esta semana, citando as constantes querelas com o parceiro governamental. "Para nós, a única alternativa a este Governo é devolver aos italianos o seu poder de escolha com novas eleições."

Para Wolfgango Piccoli, da empresa de consultoria de risco político Teneo, as declarações e ameaças da Liga não devem ser levadas a sério.

"É improvável que esta 'crise de verão' bem orquestrada por Salvini conduza a eleições antecipadas antes do final do ano", diz o especialista à Reuters, citando 30% de possibilidades de tal acontecer. "O resultado mais provável é uma remodelação governamental que irá ver alguns ministros do M5S substituídos por figuras da Liga ou por figuras de confiança dos líderes do partido."

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.