A+ / A-

Cada automobilista só poderá abastecer 15 litros de cada vez durante greve dos motoristas

07 ago, 2019 - 19:25 • João Pedro Barros

A REPA terá 320 postos destinados ao público em geral. Ministro Matos Fernandes considera que será suficiente para as necessidades básicas dos portugueses.
A+ / A-

Veja também:


A constituição de uma rede de abastecimento de emergência (REPA), com 320 postos abertos ao público em geral, é uma das medidas mais importantes anunciadas esta quarta-feira pelo Governo, no âmbito da preparação para os efeitos da greve dos motoristas, prevista para começar na segunda-feira.

No entanto, o volume máximo de abastecimento será de 15 litros, o que compara com tanques com uma dimensão que dificilmente será inferior a 40 litros num automóvel comum e que geralmente será superior a este número.

O ministro do Ambiente e da Transição Energética considerou que essa quantidade deverá ser suficiente para as necessidades básicas dos portugueses, tendo em conta dois fatores: que os consumidores já estão preventivamente a encher os tanques com combustível e que os próprios postos de abastecimento estão a encher os depósitos.

Em conferência de imprensa, Matos Fernandes salientou que a venda de combustíveis nos últimos sete dias foi “30% superior” a uma “semana normal ao longo do ano” e que “alguns postos estão a comprar o quádruplo dos combustíveis”.

“Vamos chegar a domingo à noite com uma boa parte dos portugueses com o combustível de que necessitam para os dias seguintes e também com os postos de combustível com muito mais reservas do que é comum”, frisou.

REPA representa “10% a 12%” dos postos do país

A REPA inclui 374 postos, sendo 54 deles destinados para abastecimento de veículos prioritários ou equiparados. “É uma rede maior do que a desenhada há meses, nomeadamente em locais como o Algarve e em que estão a acontecer colheitas, como a lezíria do Tejo e alguns concelhos do interior”, explicou Matos Fernandes.

A informação sobre os postos da REPA – que funcionam como uma “farmácia de serviço – pode ser consultada aqui e os locais deverão ainda ser anunciados em jornais. Representam “10% a 12%” dos postos do país, estimou Matos Fernandes, e estarão em funcionamento, se a greve de facto avançar, às 0h de segunda-feira.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Lopes
    08 ago, 2019 Tá Bonito Tá 09:49
    Serviços mínimos?? A ditadura estalinista chegou a Portugal. Já era de esperar, nem uma palavra dos bloquistas anarquistas nem dos comunistas leninistas. Com serviços mínimos de 50% nos casos gerais e de 75% para quase tudo o resto fica assim esvaziado o direito á greve consagrado na CRP. Aliás os serviços mínimos estabelecidos na CRP apenas se destinam à "satisfação de necessidades sociais impreteríveis" (sic: n3 art 57), pelo que, como se pode ver, aquilo que fizeram os senhores ministros é ILEGAL, é INCONSTITUCIONAL. Não pode haver serviços mínimos de carácter geral!!! Quem ainda acreditava no papai Noel fica claro como água que o PS está a transformar este país numa ditadura estalinista, em que o trabalhador é obrigado a ir trabalhar mesmo que esteja em greve. Isto faz lembrar qualquer coisa do passado... Lembram-se de ouvir falar em Goulags?? Afinal isso ainda existe. O Costa sabe muito bem. Em outubro não se esqueçam de votar PS, votem no Costa, confirmem nas urnas a ditadura implantada pelo PS! Um país a viver à custa de mínimos! Um país a viver do salário mínimo, do rendimento mínimo, dos serviços mínimos... Viva o Costa! O homem que foi 1° ministro quando morreram mais de 100 pessoas queimadas nos incêndios. O homem que foi 1°ministro quando caiu uma estrada em Borba e que enterrou vivas 5 pessoas. O homem que foi 1° ministro no ano do século XXI em que se registaram mais mortos nas estradas. Com Costa, a tragédia está garantida.
  • Cidadao
    07 ago, 2019 Lisboa 20:00
    Desde que os postos REPA estejam sempre abastecidos, haverá incómodos e filas, mas os 15 litros chegam bem para o básico, principalmente se se pensar em condução defensiva e trajectos planeados com antecedência. Se conseguirem manter os postos sempre abastecidos, a greve falhou, mesmo antes de começar. E se não perderem o que conquistaram até agora... estão com muita sorte.