Uma flor na terra queimada fez Evelyne voltar à Serra de Monchique

02 ago, 2019 - 06:58 • Joana Bourgard , Joana Gonçalves

Aos 70 anos e doente com Parkinson, Evelyne Regnault viu a sua casa ser totalmente consumida pelo fogo, o maior da Europa em 2018. Ficou excluída de apoios públicos por receber 72 mil euros do seguro da casa, um valor insuficiente para cobrir a reconstrução ou para comprar outra casa na região. É uma uma das 51 habitações destruídas pelo incêndio, ainda nenhuma reconstruída.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.