|
A+ / A-

Greve dos camionistas. António Costa pede bom senso para evitar "uma luta que o país não percebe"

02 ago, 2019 - 20:10 • Redação

Primeiro-ministro espera que a reunião de segunda-feira, entre o Governo e o Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas, resulte no levantamento da paralisação que começa a 12 de agosto.

A+ / A-
António Costa pede bom senso para evitar Greve dos camionistas - reportagem de Gastão Costa Nunes
António Costa pede bom senso para evitar Greve dos camionistas - reportagem de Gastão Costa Nunes
Reportagem de Gastão Costa Nunes

O primeiro-ministro, António Costa, apela a um entendimento de última hora que permita a desconvocação a greve dos motoristas de matérias perigosas e de mercadorias.

António Costa espera que a reunião de segunda-feira, entre o Governo e o Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas, resulte no levantamento da paralisação marcada para 12 de agosto, por tempo indeterminado

“Gostaria muito e acho que seria mais saudável que as partes se pudessem entender na próxima segunda-feira e poupar ao país os problemas que inevitavelmente qualquer greve iria causar”, declarou o primeiro-ministro no final de uma reunião com o Presidente da República, que decorreu em Loulé.

António Costa apela ao bom senso e considera que esta é uma “luta que o país não percebe” e que poderá gerar revolta.

“Espero que o bom senso prevaleça e que ninguém prossiga uma luta que o país não percebe e que, pelo contrário, geraria uma posição de revolta muito forte contra quem adotasse essas formas de luta.”

O primeiro-ministro afirma que, se patrões e motoristas não se entenderem, o Governo “irá até ao limite daquilo que a lei e a Constituição permite para garantir a normalidade e o funcionamento do país”.

“As medidas que vamos adotar permitirão mitigar, mas não resolver todos os problemas”, adverte António Costa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.