A+ / A-
Incêndios

Casas por reconstruir em Monchique? Governo reconhece complexidade da situação

01 ago, 2019 - 11:33 • Redação

Reportagem da Renascença revela que apenas uma das 51 habitações afetadas pelo incêndio de 2018 iniciou obras de reabilitação. No início de julho, o ministro das Infraestruturas prestou esclarecimentos no Parlamento.

A+ / A-

Veja também:


O gabinete do ministro das Infraestruturas remete todas as explicações sobre o atraso na reconstrução das casas afetadas pelo incêndio em Monchique, no ano passado, para o que Pedro Nuno Santos disse no Parlamento há um mês.

Na altura, o governante garantiu que situação estava a ser resolvida, embora reconhecendo a complexidade de algumas situações.

“Temos 29 famílias, sete já têm a sua situação contratualizada. Seis, como é por arrendamento, já estão efetivamente em casas arrendadas. Uma delas é para reabilitar – o contrato já está feito, a reabilitação não – um deles está em apreciação no IHRU [Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana] neste momento e é por dias”, começou por apontar.

“Os outros dois precisam do aditamento no protocolo, porque desistiram de reabilitar e agora querem adquirir”, acrescentou na comissão de Agricultura e Mar, numa audição requerida pelo CDS.

Pedro Nuno Santos destacou que “a tarefa é mais complicada do que o que parece quando se conhecem os casos em concreto” e resumiu ainda: “Dez à espera de documentação, cinco em que a tarefa da autarquia ainda é um bocado mais complicada, porque vão ter de dar uma ajuda adicional na procura das equipas de projeto”.

A Renascença esteve por estes dias no terreno e constatou que, das 51 habitações afetadas por aquele que foi considerado o maior incêndio da Europa em 2018, apenas uma iniciou obras de reabilitação e nenhuma foi reconstruída.

Segundo o presidente da Câmara de Monchique, o maior problema é a falta de mão-de-obra. Há “obras que estão paradas exatamente porque não têm empreiteiros que as queiram fazer”, adiantou à Renascença.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.