Opinião de João Ferreira do Amaral
A+ / A-

Johnson tem razão

01 ago, 2019 • Opinião de João Ferreira do Amaral


De novo o Brexit a chamar as atenções. Só que agora com outro enquadramento político britânico.

Nunca me passaria pela cabeça concordar com a maior parte das coisas que Boris Johnson diz ou diz que faz ou ameaça fazer. Mas reconheço que, no que respeita ao Brexit, ele tem toda a razão.

Está na hora de, de uma vez por todas, chegar a um acordo com a União Europeia ou, se tal não for possível, sair sem acordo. Por mau que seja este último cenário (e é!) ainda pior será o apodrecimento da situação actual. Também considero que, se fosse inglês, o acordo negociado por Teresa May seria para mim inaceitável porque perpetuaria uma situação de condicionamento da soberania britânica.

Cabe agora à União deixar a sua posição irredutível que é perigosa e totalmente irracional.

Os governantes dos 27 sabem perfeitamente que a proposta de acordo que dizem ser insusceptível de alteração é inaceitável por qualquer governo britânico digno desse nome. Será que sabendo isso querem bloquear o Brexit de forma a obrigar a um segundo referendo para o reverter?

Não acredito que seja isso. Seria de uma completa estultícia. Em primeiro lugar, porque possivelmente o resultado seria o mesmo. E se não fosse, alguém pensou no que seriam as relações do Reino Unido com a União num contexto de presença forçada? Embora as decisões dos colectivos europeus não primem pela inteligência, há apesar der tudo alguns mínimos de racionalidade que, quero crer, ainda existam.

Sendo assim, continuo esperançado que, até 31 de Outubro, haverá suficientes alterações ao acordo que está sobre a mesa para contentar ambas as partes.


*O/A autor/a escreve ao abrigo do antigo Acordo Ortográfico

Artigos AnterioresJoão Ferreira do Amaral

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Lira
    12 ago, 2019 lisboa 12:46
    A EU há muito que impõe regras sob forma de diretivas obrigatórias que são um insulto aos POVOS.A acumulação de medidas mal aceites provocou o BREXIT.Os programas de austeridade impostos pelo rodinhas e Merkel foi a gota de agua que fez refletir O RU.Ficar dependente dos alemaes e sua cultura não casava com valores do RU.O descontentamento grassou na irlanda,mios conservadores RU.chipre.grécia.espanha ,Portugal ETC.A nossa floresta e incêndios por exemplo é uma consequência das diretivas EU em relação agricultura portuguesa ,pescas etc.A acumulação de perde de soberania vai levando os países que podem a sair da EU pois não querem ter que falar alemão.
  • José Silva
    01 ago, 2019 11:51
    So asneira. "Está na hora" - Estava ! "apodrecimento"? Há tratados que são discutidos 100 anos!."se fosse inglês"- "se fosse ugandês!". "perpetuaria uma situação " - eh! pá, és ignorante: a Irlanda não é UK, foi barbaramente coquistada é uma colónia!!! "deixar a sua posição irredutível que é perigosa e totalmente irracional"- olha quem fala!!!"s governantes dos 27"??? é que têm a culpa? O diálogo foi feito com o UK não com 50 governantes que se lhe seguissem. Este sujeito invertte valores. O resto é nauseabundo !!!