RR
|
A+ / A-

Greve dos combustíveis. Sindicato dos Motoristas pede nova reunião ao Governo

01 ago, 2019 - 00:17 • Redação

Associação de Transportadores de Mercadorias diz à Renascença ainda não recebido qualquer notificação e pede serviços mínimos “ambiciosos”. Paralisação está marcada para dia 12 de agosto e por tempo indeterminado.

A+ / A-

Veja também:


O vice-presidente do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) anunciou nesta quarta-feira ter pedido uma nova reunião ao Governo, com vista a alcançar um acordo e evitar a greve.

Pedro Pardal Henriques explicou, em entrevista à RTP3, que a reunião foi informalmente aceite pelo Ministério das Infraestruturas e que deverá realizar-se na próxima segunda-feira.

O sindicalista acredita que a greve ainda pode ser desconvocada e adianta que aguarda agora “que a ANTRAM responda”.

Contudo, em declarações à Renascença, o advogado da Associação de Transportadores de Mercadorias (ANTRAM) diz que não ter recebido qualquer contacto por parte do SNMMP.

“Tomei hoje conhecimento que o Dr. Pedro Pardal Henriques teria solicitado ao Governo e à ANTRAM um pedido de reunião para tentar pôr fim à greve. Estamos a aferir a possibilidade de isto não ser verdade; pelo menos, a ANTRAM não foi contactada para nenhum tipo de reunião”, garante André Matias Almeida.

O advogado lembra que “existe um mecanismo na lei, que é o mecanismo da conciliação, que podia ser espoletado por este sindicato, uma vez que foi ele que rompeu as negociações e não a ANTRAM, e esse mecanismo não foi espoletado”.

“Isto destina-se, mais uma vez, a tentar ludibriar a comunicação social e a opinião pública no sentido de vitimização de um sindicato que, ao dia de hoje, continua a desconhecer as contrapropostas da ANTRAM”, acusa o representante das empresas de transporte de mercadorias.

ANTRAM pede "serviços mínimos ambiciosos"

A Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) pede ambição ao Governo na hora de decretar serviços mínimos para a greve dos motoristas de mercadorias e matérias perigosas, que começa a 12 de agosto por tempo indeterminado.

Tendo em conta o impacto da anterior paralisação de abril, André Matias Almeida diz acreditar que vão ser decretados mais de 50% de serviços mínimos.

“A ANTRAM acha que os serviços mínimos que o Governo vai decretar serão ambiciosos, na medida em que sabemos o que representou 40% em abril. Cremos que o Governo não poderá deixar de decretar serviços mínimos superiores a 50% por uma questão de proporcionalidade e salvaguarda do país e dos seus cidadãos, como está obrigado constitucionalmente”, afirma à Renascença, insistindo nos benefícios de uma eventual requisição civil preventiva.

Em 15 de abril, a greve dos motoristas de matérias perigosas levou à falta de combustíveis em vários postos de abastecimento em todo o país, tendo o Governo acabado por decretar uma requisição civil e convidar as partes a sentarem-se à mesa das negociações.

O Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM) já veio dizer que as consequências da próxima paralisação serão mais graves do que as sentidas em abril, já que, além dos combustíveis, vai afetar o abastecimento às grandes superfícies, à indústria e aos serviços, podendo "faltar alimentos e outros bens nos supermercados".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • J M
    02 ago, 2019 Seixal 15:14
    Trezentos euros de aumento no ordenado? Em três anos? Também quero.....
  • Miguel Silva
    01 ago, 2019 09:33
    O que estes senhores querem fazer é crime! Querem pôr a população portuguesa à fome com a ganância de receber um ordenado que não merecem! Estes senhores nem estudos tiveram, são uns labregos e querem receber um ordenado de médico ou professor? Prendam estes senhores se fizerem greve e contratem novos motoristas, há muita gente a precisar de emprego e com mais estudos que eles. Sr. Primeiro Ministro abra os olhos e ponha ordem neste país que mais parece andar à deriva!
  • Petervlg
    01 ago, 2019 Trofa 09:04
    Com estas atitudes, parecemos que estamos na Venezuela. apenas acho "graça" ao BE e PCP, completamente calados, estranho para quem diz que luta pelos direitos dos portugueses
  • Dario Bastos
    01 ago, 2019 Carregado 05:06
    Por mim a greve duraria 2 Ou 3 meses, nem que mude de profissão. Os patrões vão descobrir que sem motoristas tem de fechar as portas.