A+ / A-

PSD. Rui Rio passa mais um teste interno mas não escapa às críticas

31 jul, 2019 - 06:54 • Isabel Pacheco

As listas de candidatos a deputados foram aprovadas esta madrugada com 74% dos votos. No final da reunião do Conselho Nacional, em Guimarães, Rui Rio desvalorizou a polémica em torno das escolhas.

A+ / A-

Foi um processo tumultuoso, mas Rui Rio conseguiu aprovar as listas de candidatos às próximas eleições legislativas. Foi pelas 3h00 da madrugada que terminou a reunião do Conselho Nacional do partido, em Guimarães. À saída, o presidente do PSD mostrava-se por isso satisfeito.

Apesar de muitos ataques, por ter excluído das listas de candidatos os críticos da sua liderança, Rui Rio passou mais um teste interno e as listas acabaram por ser aprovadas por 74% dos votos.

“Um bom resultado”, resumiu Rui Rio que, no final do encontro, desvalorizou a “turbulência” em torno da escolha dos candidatos à Assembleia da República. Afinal, “até foi um processo razoávelmente pacífico”, ironizou.

“Os únicos processos, que me lembre, que não foram tão turbulentos foi quando o PSD estava no poder e o presidente do PSD era primeiro ministro”, recordou.

Mas se, aparentemente, acabou pacífico, não foi assim que começou a reunião laranja que decorreu em Guimarães. Bruno Vitorino, líder da distrital do PSD de Setúbal, largou as críticas logo à porta do encontro ao classificar de “pouco democrático” todo o processo de escolha dos nomes às eleições de outubro.

“Aprendi neste processo que é melhor ter um amigo na nacional do que ser líder de uma distrital”, lamentou o social democrata que assumiu que, enquanto militante do PSD, está disponível para votar no partido, mas “não em Rui Rio”.

Já durante o decorrer do Conselho Nacional foi a vez de Hugo Soares reafirmar a sua oposição à liderança do partido. O antigo líder da bancada parlamentar que, está fora das listas da distrital de Braga, comparou o veto do seu nome pela Comissão Política Nacional como “uma medalha ao peito porque é um veto cheio de futuro”.

O nome do apoiante de Fernando Montenegro foi “o único veto da Comissão Nacional do PSD”, explicava antes o vice-presidente do partido José Silvério que justificava a decisão com as “declarações de vontade do próprio que sempre afirmou publicamente a sua indisponibilidade para integrar as listas com este presidente”.

Críticas à parte, as listas do PSD às próximas eleições foram aprovadas por 74% de votos favoráveis ou com mais de 80% se consideramos as 10 abstenções da noite.

Últimaslegislativas 2019
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Martins
    31 jul, 2019 LX 09:49
    Isto é tudo muito irrelevante. O PSD com este dirigente não vai a lado nenhum. Pode ter dado um bom presidente de câmara lá no Porto, mas para eleições legislativas foi a pior escolha e cada vez está mais à vista que o PS vai ter o caminho livre para um sucesso eleitoral único.