A+ / A-

Igreja assinala Dia Mundial contra o Tráfico Humano

30 jul, 2019 - 16:54 • Ângela Roque com Vatican News e agências

O Papa Francisco usou o Twitter para pedir oração pelas vítimas. Em Nova Iorque, a sede da ONU acolheu uma conferência da religiosa italiana que há 20 anos luta contra um dos maiores crimes da atualidade.
A+ / A-
Papa sai em defesa das vítimas de tráfico humano
Papa sai em defesa das vítimas de tráfico humano

“Rezemos para que o Senhor liberte as vítimas do tráfico e nos ajude a responder ativamente ao grito de ajuda de tantos irmãos e irmãs privados da sua dignidade e liberdade”, escreveu esta terça-feira o Papa Francisco na sua conta no Twitter. Uma mensagem para assinalar o Dia Mundial contra o Tráfico Humano, que o Papa já considerou um “crime contra a humanidade”.

Calcula-se que pelo menos 21 milhões de pessoas sejam vítimas de tráfico em todo o mundo, desde trabalho forçado a exploração sexual.

Só na Europa um quarto das vítimas de tráfico humano são menores.

Em janeiro de 2019 o Dicastério para o Desenvolvimento Humano Integral, do Vaticano divulgou as Diretrizes Pastorais sobre o Tráfico Humano, nas quais alerta para os perigos crescentes do “contrabando de migrantes” e pede uma ação concertada, a nível internacional, na defesa das vítimas.

O novo “manual” para as comunidades católicas e instituições religiosas alerta para a linha “cada vez mais ténue” que separa o contrabando de migrantes e o tráfico humano, lembrando que “muitos adultos, ao procurarem escapar à guerra ou aos desastres naturais, acabam por se tornar vítimas do tráfico ou por ser forçados à escravidão”.

Os novos “escravos” do século XXI

O Dia Mundial contra o Tráfico Humano foi instituído a 30 de julho de 2013 pela Assembleia Geral da ONU, que hoje assinalou a data com uma exposição sobre o trabalho de várias congregações religiosas femininas nesta área. Na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, decorreu também uma conferência da coordenadora da Rede internacional ‘Talitha Kum’, a irmã Eugenia Bonetti, presidente da associação ‘Slaves no More’, que em junho recebeu o prémio ‘Heróis contra o tráfico de pessoas’, num evento presidido pelo secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, em Washington.

Na conferência desta terça-feira, na ONU, a irmã Bottani contou como há 20 anos descobriu que a sua missão de vida passaria por resgatar jovens e mulheres da prostituição. "Quantas lágrimas e quanto sofrimento já vi por causa deste crime contra a humanidade. Mas, nestes anos, graças à associação ‘Slaves no More’, conseguimos remover mais de 6 mil mulheres da rua", revelou a religiosa.

Eugenia Bonetti lamenta, no entanto, que haja ainda muita indiferença contra este fenómeno, que está por trás da nova escravatura do século XXI. “Acredita-se que a palavra escravo pertence a uma herança cultural passada, mas no nosso século há pessoas que continuam a viver o seu caminho de cruz nas nossas estradas", denunciou a religiosa, para quem “diante de tanta dor, o maior mal é a indiferença do homem”, que nada faz para pôr fim ao sofrimento destas pessoas.

“Com a nossa indiferença tornamo-nos cúmplices de exploração”, afirmou ainda Eugenia Bonetti, para quem "a denúncia e a luta contra o fenómeno são um grande desafio para todos".


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.