|
A+ / A-

Banca

Ferro insurge-se contra tentativa de “linchamento” de Vítor Constâncio

26 jul, 2019 - 08:36 • Lusa

Em entrevista recusa ainda a crucificação de pessoas que tiveram responsabilidades na banca no período de crise financeira.

A+ / A-

O presidente da Assembleia da República insurge-se contra a tentativa de linchamento do ex-governador do Banco de Portugal Vítor Constâncio e recusa a crucificação de pessoas que tiveram responsabilidades na banca no período de crise financeira.

Estas posições foram assumidas por Ferro Rodrigues em entrevista à agência Lusa, depois de questionado sobre os resultados alcançados nesta legislatura com as comissões parlamentares de inquérito à Caixa Geral de Depósitos (CGD).

"Nesta questão, relativizo muito a importância dos reguladores nacionais. Não me peçam para alinhar em nenhum linchamento de pessoas como Vítor Constâncio, que eu considero muito", afirmou.

Neste ponto, Ferro Rodrigues fez mesmo questão de salientar que Vítor Constâncio, antigo ministro das Finanças de Mário Soares e ex-vice-presidente do Banco Central Europeu, é uma das pessoas referência da sua geração.

"Acho que houve a tentativa - não sei se por parte de quem, porque depois isso no relatório final não transparece - de colocar aquilo que se chamava antigamente como inimigos do povo alguns empresários, capitalistas, gestores e governadores do Banco Portugal", declarou o presidente da Assembleia da República.

Ainda a propósito do apuramento de responsabilidades políticas e criminais no setor da banca, o antigo líder do PS entre 2002 e 2004 acentuou que não alinha "em julgamentos populares seja contra quem for".

O presidente da Assembleia da República deixou então nova advertência.

"Também devo dizer que não alinho em nenhuma crucificação de pessoas que passaram por ali e tiveram maior exposição, ou maior mediatismo, na sua participação na comissão de inquérito. Também não alinho numa versão que me parece excessivamente divulgada de que não houve crise internacional nenhuma, como se não tivesse mesmo existido. Houve uma crise brutal que teve, evidentemente, um impacto absolutamente trágico nos resultados em geral dos bancos e da banca portuguesa, incluindo o banco público", frisou Ferro Rodrigues.

Interrogado sobre eventuais consequências que poderão existir no plano judicial, Ferro Rodrigues referiu apenas que "os resultados do relatório foram mandados para a Procuradoria Geral da República".

Ainda no plano económico e financeiro, o antigo líder socialista rejeitou a ideia de que em Portugal, nos últimos quatro anos, não houve qualquer reforma estrutural para responder aos problemas do país.

"Há um problema que é a definição de reforma estrutural. Se as reformas estruturais forem aquilo que já vem do consenso de Washington, do final do século passado, em que as reformas estruturais são tirar direitos aos trabalhadores, liberalizar e flexibilizar o trabalho, são pôr em causa tudo o que tenha que ver com mínima proteção ao ambiente, então é evidente que não houve reformas estruturais - e ainda bem", alegou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Petervlg
    26 jul, 2019 Trofa 09:03
    Tinha uma certa simpatia pelo Vitor Constâncio, até que a cerca de 12 anos atras, um militante do PS, que infelizmente já faleceu, disse-me que conhecia bem Vitor Constâncio e era dos piores economistas, nacionais, que tinha visto e lidado até então, e disse ainda, o tempo o vai dizer da minha razão, na altura discordei, mas será ...