Tempo
|
A+ / A-

Legislativas 2019

PSD quer salário mínimo igual no público e privado e acima dos 700 euros em 2023

24 jul, 2019 - 16:32 • Agência Lusa

Rui Rio apresentou linhas gerais do programa do partido para as legislativas de outubro.

A+ / A-

O PSD defendeu esta quarta-feira que o Salário Mínimo Nacional (SMN) “tem de ser igual no público e no privado” e que em 2023, no final da próxima legislatura, deve ultrapassar os 700 euros.

“O PSD defende que o SMN tem de ser igual no público e no privado. O PSD defenderá em sede de Concertação Social que o SMN suba sempre acima da inflação e da produtividade, de forma a que em 2023 ultrapasse os 700 euros”, refere o partido no seu programa.

O documento com as linhas fundamentais do programa eleitoral do partido sobre natalidade, luta contra a pobreza e reforma da Segurança Social, foi apresentado esta tarde pelo presidente dos sociais-democratas, Rui Rio.

Em 2019, o SMN foi fixado em 600 euros.

Natalidade e família

Do programa consta uma outra proposta para criar uma rede nacional de creches e jardins de infância “tendencialmente gratuitos” para crianças entre os seis meses e os cinco anos e alargar a base de incidência do abono pré-natal e de família.

No documento, refere-se que o quadro macroeconómico do PSD tem um “valor máximo disponível” para o apoio à natalidade de 400 milhões de euros.

A medida mais dispendiosa seria “a criação de uma rede nacional de creches e jardins de infância tendencialmente gratuitos” para as crianças entre os 6 meses e os cinco anos, cujos custos de funcionamento não podem ultrapassar os 200 milhões de euros no último ano da legislatura.

O PSD pretende ainda alargar a base de incidência das famílias com direito a abono de família pré-natal, passando de 9.150,06 euros por ano para 18.300 euros, o que segundo os sociais-democratas permitiria que “um casal em que ambos ganhem o Salário Mínimo Nacional possam beneficiar do abono pré-natal”.

O programa do PSD prevê também a majoração do abono de família pré-natal em 50% para o segundo filho e 100% para o terceiro filho e seguintes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    25 jul, 2019 Lisboa 12:23
    Neste momento e segundo sondagens - podem dizer que são o que são, o problema é que já há muitas a dizer o mesmo - PSD CDS = 28% das intenções de voto do Eleitorado. Não se encontra paralelo nesta situação, nem sequer no Ambiente revolucionário da Assembleia Constituinte em 1975 onde num meio nitidamente hostil a quem não fosse de Esquerda ou Extrema-Esquerda, PSD CDS "valiam" 32% do Eleitorado. Sugiro que entrem em "modo Fénix" e renasçam das cinzas. Tal como um Governo forte, precisamos duma Oposição forte. E neste momento, PSD CDS, são tudo menos uma Oposição forte.