|
A+ / A-

Ministro diz ter “relações excelentes" com o chefe das Forças Armadas

23 jul, 2019 - 16:10 • Filomena Barros , com redação

Questionado pelos jornalistas se já falou com o almirante Silva Ribeiro sobre a falta de recursos humanos, o ministro da Defesa respondeu que este “é um tema permanente” desde que assumiu o cargo.

A+ / A-

O ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, garante que mantém boas relações com o Chefe de Estado Maior General das Forças Armadas, o almirante Silva Ribeiro, e que a questão dos recursos humanos tem estado sempre em cima da mesa.

“As relações estão excelentes. Como é que é haviam de estar?”, disse o governante em declarações aos jornalistas à margem de uma visita ao Regimento de Artilharia Anti-Aérea número 1, em Queluz.

Em entrevista à Renascença e ao jornal “Público”, o Chefe de Estado Maior General das Forças Armadas alertou na semana passada para a falta de pessoal e para uma “situação insustentável”.

​Almirante Silva Ribeiro. A situação das Forças Armadas "é insustentável"
​Almirante Silva Ribeiro. A situação das Forças Armadas "é insustentável"

Questionado pelos jornalistas se já falou com o almirante Silva Ribeiro sobre a falta de recursos, o ministro da Defesa respondeu que este “é um tema permanente” desde que assumiu o cargo.

Também questionado se o Chefe de Estado Maior General das Forças Armadas pediu a demissão, João Gomes Cravinho garantiu: “é evidente que não”.

O ministro da defesa acompanhou o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, na visita ao Regimento de Artilharia de Queluz.

Marcelo Rebelo de Sousa não comentou as polémicas no setor das Forças Armadas e limitou-se a explicar o objetivo da visita.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.