|
A+ / A-

Força Aérea

Governo compra cinco aviões para substituir antigos C-130

11 jul, 2019 - 13:33 • Lusa

Primeiro destes aviões de carga e transporte tem entrega prevista à Força Aérea Portuguesa em fevereiro de 2023, seguindo-se mais um por cada ano até fevereiro de 2027.

A+ / A-

O Governo anunciou esta quinta-feira, após reunião do Conselho de Ministros, em Lisboa, a compra à empresa brasileira Embraer de cinco aviões KC-390, substitutos dos Hércules C-130, por um total de 827 milhões de euros.

O negócio inclui também a aquisição de um simulador de voo e a manutenção das aeronaves nos primeiros 12 anos de vida, segundo o ministro da Defesa Nacional.

João Gomes Cravinho explicou ainda que estes cinco aviões terão uso militar e civil, inclusive de combate aos incêndios. "A Força Aérea portuguesa definiu, num trabalho de comparação com todas as aeronaves do mesmo tipo disponíveis no mercado, que esta era a aeronave mais interessante para nós. Permite responder a todas as missões da Força Aérea e corresponde, também, ao desiderato de duplo uso, civil e militar, incluindo de combate aos incêndios”, referiu.

Quanto aos aviões C-130, os mesmos estão hoje no limite da utilização e serão gradualmente substituídos. Por enquanto, vão ser modernizados para aguentarem até à chegada dos KC-390.

"Os C-130 têm poucos anos de vida útil pela frente. Já estão a passar, agora, por uma pequena modernização, que é necessária para terem autorização para continuarem a voar. Portanto, estamos a falar de aviões que já têm um elevado grau de obsolescência tecnológica, mas, de qualquer maneira, estas pequenas modernizações permitem que continuem a voar durante os próximos seis, sete anos, até termos completa a frota nova de KC-390”, referiu o ministro da Defesa.

O primeiro destes aviões de carga e transporte tem entrega prevista à Força Aérea Portuguesa em fevereiro de 2023, seguindo-se mais um por cada ano até fevereiro de 2027.

Trata-se de uma aeronave com alcance intercontinental, dotada de verdadeiras capacidades multimissão e capaz de executar operações estratégicas e táticas, civis e militares, sem limitações, desde o transporte de tropas, veículos e cargas, lançamento de paraquedistas e carga, evacuações sanitárias, missões de busca e salvamento e de reabastecimento aéreo.

Podendo operar a partir de pistas curtas e semipreparadas, mesmo junto à frente de combate, desenvolve ações de movimentação de pessoal, equipamento e material entre e intra Teatros de Operações. Possui uma velocidade e um raio de ação em regime de cruzeiro de longo alcance superiores ao das aeronaves do tipo C-130.

A aquisição das aeronaves KC-390 e de um simulador de voo, e respetiva sustentação logística, com as configurações e especificações técnicas, operacionais e logísticas definidas pela Força Aérea, permitirá reforçar as atuais capacidades de transporte aéreo, de busca e salvamento, evacuações sanitárias e apoio a cidadãos nacionais, nomeadamente entre o Continente e os Arquipélagos, incluindo-se, também, as capacidades adicionais de reabastecimento em voo e de combate a incêndios florestais, o que possibilita que Portugal disponha de aeronaves com funções de duplo uso (civil e militar), que respondem a necessidades permanentes do país.

As características únicas da aeronave KC-390 estabelecem um novo padrão para o transporte militar estratégico, até aqui apenas possível de assegurar com aeronaves quadrimotores, de superiores dimensões e capacidades constituindo-se assim, nesta classe, como a solução que satisfaz integralmente os requisitos definidos pelo Estado Português bem como os exigidos para participação nas operações militares que poderão decorrer das alianças de que Portugal faz parte.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.