A+ / A-
Hong Kong

Lei da extradição pode estar "morta", mas ativistas vão manter protestos nas ruas

09 jul, 2019 - 12:32 • Agência Lusa

É a promessa da Frente Civil de Direitos Humanos, por trás dos protestos em massa das últimas semanas.
A+ / A-

O principal grupo que está na base das manifestações nas últimas semanas em Hong Kong desvalorizou o facto de a chefe do Governo ter declarado esta terça-feira a “morte” da lei da extradição e prometeu novas manifestações.

Estas palavras “não significam nada de novo”, disse a porta-voz da Frente Civil de Direitos Humanos, Bonnie Leung, em conferência de imprensa, numa alusão à declaração da chefe do executivo de Hong Kong, Carrie Lam, que deu como "morta" a lei da extradição, que provocou uma série de protestos maciços desde 09 de junho.

"Eu considero a lei da extradição morta", disse Lam durante uma conferência de imprensa, acrescentando que os trabalhos de preparação desta medida foram "um completo fracasso".

Na opinião de Bonnie Leung, a líder do Governo da antiga colónia britânica não garantiu que a lei vai ser completamente abandonada: "Lam ainda se recusa a dizer que remove a iniciativa”, afirmou.

"Se as nossas cinco exigências não forem ouvidas por Carrie Lam e pelo seu Governo, a Frente Civil de Direitos Humanos continuará a realizar manifestações e comícios", sublinhou a porta-voz.

A ativista exigiu a retirada definitiva do projeto de lei, a demissão de Carrie Lam, que os protestos não sejam classificados como motins, a libertação dos detidos e a abertura de uma investigação sobre a violência policial.

Protestos violentos regressam às ruas de Hong Kong
Ruas de Hong Kong estão a ser palco de protestos em massa desde junho. Vídeo: RR

Esta última reivindicação já foi aceite pela chefe do executivo que, na sua declaração aos jornalistas, anunciou a criação de um comité de investigação independente para supervisionar a ação da polícia durante os protestos que se verificaram na cidade durante o último mês.

"Como é que o Governo pode pedir aos manifestantes que respeitem o Estado de Direito, quando ele próprio não o faz?", questionou a ativista.

Bonnie Leung criticou ainda a ação policial no último domingo, cujos agentes "se recusaram a mostrar os seus crachás de identificação ou usar uniformes no exercício das suas funções".

Durante as manifestações de domingo, seis manifestantes, quatro homens e duas mulheres, entre os 20 e os 66 anos, foram detidos. Dos seis, um foi detido por se recusar a ser identificado e os restantes por "obstrução e agressão de um agente no exercício das suas funções", adiantou a polícia de Hong Kong, em comunicado.

Desde o início dos protestos, a 9 de junho, registaram-se 71 detenções, sendo que 15 ocorreram após a invasão do Parlamento no dia 1 de julho, segundo dados avançados pelo movimento pró-democracia à agência de notícias Efe.

A organização não-governamental Amnistia Internacional (AI) também já se pronunciou sobre as palavras proferidas hoje por Carrie Lam, considerando-as “vagas”.

"A recusa de Lam em reconhecer as consequências fatais da lei extradição promete continuar a inflamar a situação em Hong Kong", disse em comunicado o diretor da organização não-governamental em Hong Kong, Man-kei Tam.


legislativas 2019 promosite
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.