|
A+ / A-

Caso Tancos. António Costa mantém “total confiança” em Azeredo Lopes

06 jul, 2019 - 16:37 • Lusa

Ex-ministro foi constituído arguido no processo sobre o furto de Tancos.

A+ / A-

O primeiro-ministro, António Costa, mantém "total confiança" no ex-ministro Azeredo Lopes, que foi constituído arguido no processo relativo ao chamado caso Tancos, até porque a comissão de inquérito parlamentar já fez "um trabalho esclarecedor".

"Tenho total confiança" no ex-ministro da Defesa Azeredo Lopes e "acho que a comissão de inquérito parlamentar já fez um trabalho muito esclarecedor", afirmou António Costa, em Braga.

O ex-ministro foi constituído arguido na quinta-feira no processo sobre o furto de Tancos, considerando que esta condição, apesar de garantir mais direitos processuais, é "socialmente destruidora".

"Comunico que fui (quinta-feira) constituído arguido no processo relativo ao chamado 'caso Tancos'. Esta condição, se é verdade que me garante mais direitos processuais, é absolutamente inexplicável tendo em conta os factos relativos ao meu envolvimento do processo, que foi apenas de tutela política", referiu na altura, em comunicado enviado à agência Lusa.

Admitindo que "o dr. Azeredo Lopes está profundamente magoado com toda a situação", o primeiro-ministro lembrou que "é importante que não restem quaisquer insinuações ou dúvidas sobre esta matéria", defendendo, por isso, que a Justiça "investigue o que tem a investigar".

Presente em Braga para participar na última sessão organizada pelo Partido Socialista para preparar o programa para as eleições legislativas, António Costa enviou "um grande abraço de solidariedade" a Azeredo Lopes e garantiu que irá aguardar "tranquilamente o que vão ser as conclusões de todo este processo".

No dia em que foi constituído arguido, o ex-ministro da Defesa mostrou-se convicto de que vai ser "absolutamente ilibado de quaisquer responsabilidades neste processo".

O furto de material de guerra foi divulgado pelo Exército em 29 de junho de 2017 e, quatro meses depois, a Polícia Judiciária Militar (PJM) revelou o aparecimento do material furtado, na região da Chamusca, a 20 quilómetros de Tancos, em colaboração com elementos do núcleo de investigação criminal da GNR de Loulé.

Entre o material furtado estavam granadas, incluindo antitanque, explosivos de plástico e uma grande quantidade de munições.

O processo de recuperação do material militar levou a uma investigação judicial em que foram detidos o agora ex-diretor da PJM.

No dia 12 de outubro de 2018, Azeredo Lopes apresentou a sua demissão do cargo de ministro da Defesa Nacional. Na base do pedido de demissão estiveram os desenvolvimentos do processo de investigação judicial ao desaparecimento e recuperação das armas furtadas nos paióis de Tancos.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Abel Moura
    08 jul, 2019 16:01
    Surpreende-me que o Sr. Primeiro Ministro tenha tanta confiança no ex-ministro da Defesa! Não se brinca com coisas tão sérias, isto é, com a TROPA não se brinca e não só. A Justiça concluirá, mas até lá, julgo que Lhe seria melhor não comentar.
  • Petervlg
    08 jul, 2019 Trofa 09:12
    Só Azeredo sabia...