|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Sinistralidade rodoviária no primeiro semestre: mais mortos, mas menos acidentes

02 jul, 2019 - 07:35 • Lusa

O número de mortos nas estradas portuguesas subiu nos primeiros seis meses do ano relativamente ao período homólogo, bem como o número de feridos graves, apesar de se terem registado menos acidentes. Os dados são da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária.

A+ / A-

Entre 1 de janeiro e 30 de junho deste ano, morreram 224 pessoas nas estradas portuguesas, mais seis do que no período homólogo (218).

De acordo com o balanço do primeiro semstre feito pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), no mesmo período foram registados 994 feridos graves, mais 101 do que nos primeiros seis meses de 2018.

Entre 1 de janeiro e 30 de junho deste ano, registaram-se 63.058 acidentes, menos 382 do que em igual período do ano passado (63.440).

A ANSR indica também que 19.415 pessoas sofreram ferimentos ligeiros, mais 318 do que em igual período do ano passado (19.097).

O balanço da ANSR, que reúne dados da GNR e PSP, destaca também que na última semana de junho (22 a 30 de junho) morreram nas estradas sete pessoas e 52 ficaram feridas com gravidade.

Os dados da ANSR indicam igualmente que entre 1 de julho de 2018 e 30 de junho de 2019, o número de mortos nas estradas aumentou para 514 (mais 21 relativamente ao período 01 de julho de 2017 a 30 de junho de 2018), enquanto o de feridos graves subiu para 2.242 (mais 154).

No primeiro semestre deste ano, o distrito com maior número de mortos resultantes de acidentes foi o do Porto (23), seguido de Braga (22), Lisboa (20), Aveiro (19) e Faro (17).

O distrito de Lisboa foi o distrito com mais feridos graves (155), seguido do Porto (98), Faro (94) e de Santarém (90).

Os dados da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária dizem respeito aos mortos cujo óbito foi declarado no local do acidente ou a caminho do hospital.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.