Tempo
|
A+ / A-

Lei de Bases da Saúde

​Rio avisa que PSD "não é muleta da geringonça"

28 jun, 2019 - 18:32

Líder social-democrata acusa PS de fazer "negociações simuladas" na Lei de Bases da Saúde.

A+ / A-

O presidente do PSD acusou esta sexta-feira o PS de fazer "negociações simuladas" na Lei de Bases da Saúde e avisa que o partido "não é muleta da geringonça", mas assegura que mantém abertura a consensos partidários no futuro.

"Ou o PS nunca esteve de boa-fé ou, se esteve de boa-fé, achava que o PSD está aqui para ser muleta da gerigonça quando a geringonça não consegue funcionar", afirmou Rui Rio, em conferência de imprensa na sede nacional no partido, depois de o PS ter anunciado o fim das negociações com os sociais-democratas em matéria de Lei de Bases da Saúde.

O presidente do PSD reiterou que o partido apenas pretendia revisitar três áreas da Lei de Bases da Saúde - a gestão, os direitos dos cidadãos e a saúde pública e bem-estar - e deu como exemplos de matérias que o PSD queria incluir o reconhecimento do direito aos cuidados continuados e paliativos.

"Isto é exigir de mais?", questionou, tendo sido depois distribuída uma folha A4 aos jornalistas onde estão detalhados os pontos que o PSD pretendia alterar ou incluir no diploma.

Para Rui Rio, "fica claro quem está de boa fé e quer defender o interesse das pessoas e quem está apenas com preocupações da pequena tática partidária e que ganha poder tendo negociações simuladas".

"A outra conclusão é que isto é uma vitória da ala radical da esquerda do PS sobre a ala moderada do PS e que este PS está cada vez mais encostado à esquerda do PCP e do BE e não se consegue libertar dessas amarras e não tem qualquer capacidade de diálogo ao centro", acusou.

Questionado se o PSD se sentiu usado nestas negociações - que se resumiram a uma reunião -, Rio respondeu que não.

"Que fique claro, se amanhã se repetir uma situação destas relativamente a uma outra matéria qualquer, eu vou fazer exatamente da mesma maneira, vou mostrar disponibilidade para, em nome dos portugueses, negociar de espírito aberto o que para eles possa ser melhor", afirmou, mas avisando que o PSD não está disponível para "fazer fretes".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    29 jun, 2019 Lisboa 11:16
    O psd de Rui Rio não tem feito outra coisa que não seja ser a muleta do PS. Neste momento é um subalterno a querer dizer que "é gente", quando não é. Começa por não ter qualquer programa de governo - pelos vistos, R.R. quer ser primeiro-ministro, sem apresentar programa - e termina sem mostrar ideias claras sobre ao que vem. Quem votará nesta confusão de partido subordinado ao PS e a António Costa?