Tempo
|
A+ / A-

Miguel Relvas. Eleições internas serão inevitáveis se PSD perder legislativas

28 jun, 2019 - 22:18

Antigo dirigente social-democrata mostra-se "muito preocupado" com o atual líder do partido, Rui Rio, considerando que "o Governo sente-se à solta, porque não há oposição".

A+ / A-

A convocatória para eleições internas no PSD será "inevitável" caso o partido tenha uma derrota nas eleições legislativas, defende o antigo dirigente social-democrata Miguel Relvas.

"Será inevitável que o PSD procure um novo caminho, novos protagonistas e se possa assumir como alternativa ao Partido Socialista", disse o antigo secretário-geral do PSD e ministro do Governo de Passos Coelho, que falava à agência Lusa à margem de uma conferência promovida pela Assembleia Municipal de Ourém.

Miguel Relvas mostra-se "muito preocupado" com o atual líder do partido, Rui Rio, considerando que atualmente "o Governo sente-se à solta, porque não há oposição", salientando que PSD e CDS-PP valem juntos nas sondagens 30 a 31%, o que "nunca aconteceu na história da democracia portuguesa".

"Os sinais são preocupantes. O PSD não soube fazer a leitura dos resultados das eleições europeias. Não percebeu que não se conseguiu constituir como alternativa", disse o antigo ministro que se demitiu do Governo de Passos Coelho em 2013, depois de ter estado envolvido em várias polémicas, nomeadamente a da sua licenciatura e de alegadas pressões a jornalistas.

Segundo Miguel Relvas, o PSD, através das posições e políticas assumidas no Parlamento nos últimos tempos, demonstra que é "um partido sem convicções e um partido sem capacidade de se assumir com um projeto coerente e estável".

"O prazo dos líderes é o mandato para o qual são eleitos, que devem cumprir, mas também os resultados. É normal que quem perca as eleições tenha que ser substituído por outro que traga esperança ao país e um projeto mobilizador. É normal que assim seja", referiu o antigo ministro, que é uma das vozes críticas do PSD em relação à liderança de Rui Rio.

Sobre possíveis sucessores de Rui Rio, o antigo dirigente social democrata não quis avançar com nomes, apenas salientando que "o PSD tem vários militantes seus em condições" de poder vir a liderar o partido.

Apesar das críticas, Miguel Relvas vincou que gostaria de ver "criadas as condições para que o PSD tenha um resultado que impeça o Partido Socialista de ganhar as eleições" e que vai votar no partido do qual é militante.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • J M
    30 jun, 2019 Seixal 16:47
    Ainda dão voz a um dos maiores incompetentes do governo pafioso do PSD, ou têm a memória curta ou são os ideais que defendem?