|
A+ / A-

Corrupção. Ex-procuradora Joana Marques Vidal diz que o "Estado está capturado"

28 jun, 2019 - 07:00 • Marina Pimentel

Em declarações à Renascença, Joana Marques Vidal destaca “redes de corrupção e de compadrio, nas áreas da contratação pública” que se disseminam entre vários organismos de ministérios e autarquias.

A+ / A-
"Há redes que capturaram o Estado para a prática de actos ilícitos"
"Há redes que capturaram o Estado para a prática de actos ilícitos"

A ex-procuradora-geral da República defendeu, esta sexta-feira, que é inegável a existência em Portugal de redes que capturaram o Estado e se mantêm ativas na prática de actos ilícitos.

Em declarações à Renascença, Joana Marques Vidal destaca “redes de corrupção e de compadrio, nas áreas da contratação pública” que se disseminam entre vários organismos de ministérios e autarquias.

“Há efetivamente algumas redes que capturaram o Estado e que utilizam o aparelho do Estado para a prática de atos ilícitos e, felizmente, algumas estão a ser combatidas, mas outras continuam a fazer isso e há até outras que começam”, explica no programa Em Nome da Lei.

“Se nós pensarmos um pouco naquilo que são as redes de corrupção e de compadrio, nas áreas da contratação pública, que se espalham às vezes por vários organismos de vários ministérios, autarquias e serviços diretos ou indiretos do Estado, infelizmente nós estamos sempre a verificar isso”, acrescenta.

A ex-procuradora-geral da República nega, no entanto, uma visão catastrófica sobre o fenómeno da corrupção em Portugal.

“Eu não tenho, de maneira nenhuma, uma ideia catastrófica de que toda a gente é corrupta e que todas as autarquias são corruptas e que todos os políticos são corruptos. Não tenho nada essa ideia. Sou, aliás, uma defensora de que os partidos são um elemento essencial da democracia. Poderemos depois discutir se deviam estar mais abertos ou menos abertos, autorregenerem-se, não serem tão complacentes com certos tipos de atividades, mas isso é outro tipo de discussão”.

Joana Marques Vidal retoma assim uma afirmação que fez no início do seu mandato como procuradora-geral da República, em entrevista à Renascença e ao jornal "Público". Diz, contudo, que hoje usaria o plural: há redes de corrupção instaladas no Estado e não apenas uma rede, como afirmava em 2015.

“Temos que reconhecer que estas redes existem. A única coisa que acrescentaria ao que disse nesse dia era pôr um 's' à frente da 'rede'”, concluiu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Fernando Ferreira
    29 jun, 2019 Lisboa 07:39
    Ah, finalmente e só agora disse aquilo que é uma percepção da maioria dos Portugueses, há muito. Que fez quando lá esteve? De mim arquivou um processo relativo à CMO com provas devidamente documentadas de abuso de poder, de favorecimento ilícito e de trafico de influências com o argumento de que não havia provas de acto de corrupção apesar de reconhecer os factos provados. Ou seja para esta Srª existem almoços grátis. Ou então tem um conceito da corrupção estranho. É ela também e muito uma das responsáveis pelo estado a que chegou a justiça e a corrupção em Portugal. Agora todos querem sacudir a água do capote.
  • José Pereira
    28 jun, 2019 Ponta Delgada 16:42
    Por alguma razão Marcelo não a manteve onde estava. Ela aí está, a razão, entre muitas outras que o grande público, os que votam ( e que agora muitos se abstém ) desconhece. Afinal os conluios começam lá encima como se tem visto ultimamente...
  • ze
    28 jun, 2019 aldeia 09:05
    Todos se amanham...uns mais que outros,e sempre aos milhões,ninguém ou quqse ninguém é julgado e preso,esta democracia dos partidos só favorece os politicos.É hora de haver uma mudança neste sistema.