|
A+ / A-

“Se há redes de corrupção estou certo que o Ministério Público está a investigar”, diz ministro Augusto Santos Silva

28 jun, 2019 - 22:08 • Redação

Ministro dos Negócios Estrangeiros reage aos alertas deixados pela ex-procuradora Joana Marques Vidal no programa "Em Nome da Lei", da Renascença.

A+ / A-

Se há redes de corrupção estarão a ser investigadas pelo Ministério Público (MP), afirma o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, em declarações à Renascença.

O chefe da diplomacia portuguesa reage assim às declarações da ex-procuradora-geral da República Joana Marques Vidal ao programa “Em Nome da Lei” da Renascença.

“Se há redes de corrupção em Portugal eu estou certo que o Ministério Público está a investigar”, afirma o ministro.

"Há redes que capturaram o Estado para a prática de actos ilícitos"
"Há redes que capturaram o Estado para a prática de actos ilícitos"

Augusto Santos Silva confia na justiça e reforça: “se há atos de corrupção em Portugal, eu estou certo que o Ministério Público já os investigou e procedeu à respetiva acusação que está a ser julgada agora por um tribunal ou está a investigar e, se for caso disso, a formular a respetiva acusação”.

O ministro dos Negócios Estrangeiros sublinha que “este é o Estado de direito que é o nosso e que nós queremos que seja”.

No programa “Em Nome da Lei”, que é transmitido na Renascença sábado depois do meio dia, a ex-procuradora-geral da República Joana Marques Vidal defende que é inegável a existência em Portugal de redes que capturaram o Estado e se mantêm ativas na prática de atos ilícitos.

Joana Marques Vidal destaca “redes de corrupção e de compadrio, nas áreas da contratação pública” que se disseminam entre vários organismos de ministérios e autarquias.

“Há efetivamente algumas redes que capturaram o Estado e que utilizam o aparelho do Estado para a prática de atos ilícitos e, felizmente, algumas estão a ser combatidas, mas outras continuam a fazer isso e há até outras que começam”, explica no programa "Em Nome da Lei".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.