Tempo
|
A+ / A-

C-DAYS 2019

​E se não existissem "fake news"? O Brexit e a eleição de Trump podiam nunca ter acontecido

27 jun, 2019 - 21:57 • Redação

A ideia marcou o último dia da C-DAYS 2019, conferência sobre cibersegurança que decorreu na Alfândega do Porto.

A+ / A-

Veja também:


A eleição do Presidente norte-americano, Donald Trump, e a saída do Reino Unido da União Europeia, o Brexit, podiam nunca ter acontecido num mundo sem notícias falsas partilhadas ao ritmo frenético das redes sociais. A ideia marcou o último dia da C-DAYS 2019, conferência sobre cibersegurança, na Alfândega do Porto.

Uma “guerra híbrida”, o uso das redes socais como arma e as ‘fake news’ foram alguns dos tópicos de enfoque durante o painel de discussão “Sociedades (Des)Informadas.

O debate foi conduzido por Isabel Batista do Centro Nacional de Cibersegurança, Luísa Meireles, diretora da agência Lusa e Felipe Pathé Duarte, do Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna (ISCPSI).

Viver e continuar a viver numa sociedade democrática dependente, em grande parte, de um jornalismo livre, independente e que questiona. Esta é a opinião geral dos oradores no debate decorrido no âmbito do C-Days.

Num mundo onde as notícias falsas crescem a um ritmo exponencial, Luísa Meireles avisa que esta falsa realidade “mina os cidadãos e leva-os a não creditar nos jornalistas e no jornalismo”.

Filipe Pathé Duarte, professor no ISCPSI, fala de “perceção” para explicar o grande risco do fluxo de desinformação e como tudo isto afeta o comportamento humano. “Se há uma alteração dessa perceção sem haver uma possibilidade de contextualizar o facto, sem haver possibilidade de verificar o facto e estamos a ver a realidade de uma forma altamente fragmentada, a nossa perceção altera”, realça.

Num vídeo reproduzido durante a conferência, imaginou-se um cenário onde as ‘fake news’ não existissem e, consequentemente, não tivessem influenciado a perceção da sociedade. A conclusão? “Talvez o resultado do Brexit e das eleições USA pudesse ter sido bem diferente”.

Luísa Meireles lembra que as notícias falsas não são uma moda que nasceu no século XXI. Sempre “houve atitudes falsas com o objetivo de conduzir pessoas num determinado caminho”.

Contudo, reconhece que as novas tecnologias amplificaram a voz das ‘fake news’. “Não sei o que é pior: uma pessoa que acredita na mentira ou que não acredita na verdade”, afirma a diretora da Lusa.

O negócio das ‘fake news’ e a nova guerra híbrida

Atualmente, existem pessoas que são financiadas para difundir notícias falsas de modo a influenciar a opinião e decisão dos cidadãos.

Toma-se como exemplo o ato eleitoral onde a difusão de ‘fake news’ sobre um determinado candidato pode influenciar negativamente ou favoravelmente a sua prestação.

Na opinião de Luísa Meireles, as notícias falsas são um “negócio” de milhões, que consegue alcançar níveis de profundidade que vão muito além das notícias consumidas.

“A verdade é que as ‘fake news’ são pura e simplesmente um negócio. O Facebook é a maior empresa deste mundo. Até está a lançar a sua própria moeda, tem uma fonte de reversa e está associado ao Visa. A Google a mesma coisa”, defende a diretora da agência Lusa.

As pessoas mais velhas, sublinha, são mais propicias a partilhar notícias falsas do que as gerações mais novas, “possivelmente porque veem as partilhas dos seus amigos e acham que é credível e não estão tão alerta dos perigos”.

Filipe Pathé Duarte fala mesmo na existência de uma “guerra híbrida”, que é constituída por um lado “físico” e “não-físico”.

O professor do ISCPSI salienta que esta é uma das maiores ameaças do mundo moderno. Através de um ecrã é possível manipular o cidadão e, por conseguinte, a sociedade.

“Estamos numa nova guerra, onde o principal objetivo desta guerra não é abrir uma linha de frente de ataque, não confrontar diretamente o inimigo, mas entrar por detrás das linhas do inimigo e alterar a sua perceção para que ele se auto inflija os seus danos”, concluí Felipe Pathé Duarte.

Já Luísa Meireles acaba com uma nota mais positiva e garante que os jornalistas não estão em perigo. “Somos as vítimas a abater, mas também estamos mais preparados para combater as ‘fake news’”, sublinha,

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.