Tempo
|
A+ / A-

Viana do Castelo

​Câmara de Viana chega a "princípio de acordo" com casal morador no prédio Coutinho

28 jun, 2019 - 18:05 • Pedro Mesquita , com redação

Continuam as negociações com os restantes moradores, afirma o autarca José Maria Costa, que quer resolver o caso "a bem".

A+ / A-

O presidente da Câmara de Viana do Castelo, José Maria Costa, conversou, esta sexta-feira, com os últimos nove moradores do prédio Coutinho, tendo chegado a um "princípio de um acordo" com um casal que pode vir a abandonar o edifício.

As negociações continuam com o restantes moradores, disse o autarca aos jornalistas.

José Maria Costa visitou esta tarde o último grupo que resiste deixar as habitações. O presidente da Câmara de Viana disse aos resistentes que os processos em tribunal estão esgotados e que quer muito que saiam a "bem e com dignidade".

Questionado pelos jornalistas, não respondeu se admite utilizar a força para retirar os moradores.

O autarca revelou que vai agora reunir-se com os advogados dos moradores na sede da sociedade VianaPolis, num processo que se arrasta há duas décadas.

A Sociedade VianaPolis iniciou, na manhã desta sexta-feira, os trabalhos de desconstrução das frações desocupadas no prédio Coutinho, apesar de nove moradores continuarem em seis apartamentos.

A pedido da sociedade VianaPolis, foram desligadas a água e a eletricidade e os elevadores estão desativados.

O Edifício Jardim, localmente conhecido como prédio Coutinho, tem desconstrução prevista desde 2000, ao abrigo do programa Polis, mas a batalha judicial iniciada pelos moradores travou aquele projeto iniciado quando era António Guterres primeiro-ministro e José Sócrates ministro do Ambiente.

Para o local onde está instalado o edifício está prevista a construção do novo mercado municipal da cidade.

A ação de despejo dos últimos moradores no prédio estava prevista cumprir-se às 9h00 de segunda-feira, na sequência de uma decisão do Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga, de abril, que declarou improcedente a providência cautelar movida pelos moradores em março de 2018.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.