Joana Marques Vidal

"Há redes que capturaram o Estado para a prática de actos ilícitos"

28 jun, 2019 - 06:50 • Marina Pimentel

A ex-procuradora-geral da República diz que é inegável que existem em Portugal redes que capturaram o aparelho do Estado. Algumas estão a ser combatidas, mas outras mantêm-se ativas na prática de atos ilícitos, envolvendo a contratação pública, a várias níveis - das autarquias, ao governo central, passando pela administração pública. Joana Marques Vidal retoma uma afirmação que fez no início do seu mandato como procuradora-geral da República, em entrevista à Renascença e ao Jornal Público. No entanto, assegura que hoje usaria o plural. "Há redes que capturaram o aparelho do Estado para a prática de atos ilícitos", defende, e não apenas uma rede, como afirmava em 2015.

RSS iTunes URL Embed E-mail Facebook Twitter Whatsup Comentários
Reportagem
Eu Eleitor hyper

Eu, eleitor. Retratos do país que vota

Que país é este que vai às urnas? Até às eleições legislativas, a Renascença apresenta retratos de 18 eleitores dos círculos eleitorais de Portugal continental, olhando as características e dificuldades de cada distrito.

Reportagem - Segundo Torrão, o maior bairro de lata de Almada - 25/03/2019

Reportagem

Segundo Torrão. Viagem ao maior bairro de lata de Almada

Em Almada, há mais famílias a viver em bairros ilegais do que nos anos 90. O maior chama-se Segundo Torrão e serve de casa a 2500 pessoas.

Mães ocupas por necessidade

Edição da Noite

Mães ocupas

Na Edição da Noite desta quinta-feira, 29 de novembro de 2018: uma grande reportagem sobre mães solteiras em dificuldades que ocupam casas da Câmara de Lisboa financeira; uma entrevista ao vice-presidente do PSD, Carlos Carreiras; uma entrevista ao bispo de São Tomé, D. Manuel dos Santos, sobre a instabilidade política no país.

Reportagem de Alfama para Cacilhas - Paulo - Foto: Joana Bourgard/RR

À margem de Lisboa. Como Alfama se está a mudar para Cacilhas

São praticamente vizinhanças inteiras que têm de atravessar o Tejo para encontrar uma casa que podem pagar. Apontam culpas ao turismo, que descaracteriza e encarece o seu bairro, Alfama. Regressar, garantem, “é impensável”. “Nem casas há!”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.