A+ / A-

Liga dos Bombeiros. Decisão de levar comandante de Pedrogão a julgamento é “ignorante”

25 jun, 2019 - 23:02 • Celso Paiva Sol

Em declarações à Renascença, Jaime Marta Soares afirma que o sistema “lava as mãos como Pilatos” e está a fazer de Augusto Arnault um “bode expiatório”.
A+ / A-

A Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) reafirma total solidariedade com o comandante dos Voluntários de Pedrogão Grande.

Reunido esta terça-feira para analisar o despacho de pronuncia, que coloca Augusto Arnault entre os arguidos que irão a julgamento, conselho executivo da Liga diz que a decisão judicial é um vexame para todo o povo português.

Em declarações à Renascença, o presidente da LBP, Jaime Marta Soares, afirma que o sistema “lava as mãos como Pilatos” e está a fazer de Augusto Arnault um “bode expiatório”.

Jaime Marta Soares diz que “o juiz não perceberá nada do que são incêndios florestais” e baseou a sua decisão “em alguns esclarecimentos ou informações de técnicos” que a Liga quer conhecer e saber quem são, e o que disseram.

A Liga dos Bombeiros considera que a decisão de levar o comandante de Pedrogão Grande a julgamento é “perigosa”, “indolente”, “ignorante”, “humilhante”, um ataque aos bombeiros, uma manobra de distração e uma afrontosa forma de maquilhagem das fragilidades de um sistema que está politizado.

Na reunião desta terça-feira, a Liga decidiu que irá continuar a apoiar juridicamente o comandante dos Voluntários de Pedrogão Grande.

“Desde o primeiro segundo que demos apoio jurídico e continuaremos a dar. Pedimos para nos constituir assistentes no processo, foi-nos recusado, não sei porquê, mas isso não nos inibe de continuarmos a trabalhar com o Augusto Arnault, com o nosso gabinete jurídico, com tudo o que tivermos ao nosso alcance para defender a honra e a honorabilidade de um homem que fez aquilo que podia fazer”, afirma Jaime Marta Soares.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.