|
A+ / A-

Vêm aí os "festivais acessíveis"

24 jun, 2019 - 12:35 • Ana Carrilho

Governo vai alargar os apoios públicos aos festivais que se queiram tornar acessíveis a todas as pessoas, independentemente das suas incapacidades ou deficiências físicas.

A+ / A-

Veja também:


As secretárias de Estado para a Inclusão e do Turismo lançaram esta segunda-feira o programa “Festivais + Acessíveis”, que vai distinguir os eventos que apresentem condições de acessibilidade para pessoas com necessidades específicas.

O anúncio foi feito esta manhã durante a sessão de abertura do seminário “Portugal – um destino de turismo acessível”, a decorrer em Lisboa.

A ideia é que aconteça com os festivais o mesmo que aconteceu com o programa “Praia Acessível”, que ganhou importância ao longo dos anos, desde que foi criado, em 2005, disse a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho.

“Portugal também é muito conhecido como país dos festivais, especialmente no Verão. Às vezes, temos vários no mesmo fim de semana, mas ainda não são para todos”, lamenta, por seu lado, a secretária de Estado para Inclusão, Ana Sofia Antunes, ela própria cega.

“É necessário criar condições para que todas as pessoas com deficiência possam chegar e estar com qualidade. É uma vontade que me foi comunicada várias vezes por pessoas com deficiência, quererem ir aos festivais e não saberem como podem estar”, revelou à Renascença.

Tornar os percursos mais amigáveis, melhorar as condições de estadia e de higiene, criar melhor acesso aos conteúdos a passar em palco “são apenas algumas ideias para os promotores desenvolverem”, lança Ana Sofia Antunes, admitindo que este ano já será difícil, a não ser para os festivais mais tardios.

“Concorram e façam”, desafia da secretária de Estado.

As candidaturas podem ser feitas a partir de julho, através do Programa 'All for All'/Programa Valorizar, que tem atualmente uma verba de 100 milhões de euros para apoios a projetos turísticos.

Até agora, a Linha de Apoio ao Turismo Acessível – All for All”, do Turismo de Portugal, recebeu 265 candidaturas, 121 das quais foram aprovadas e apoiadas com 14,4 milhões de euros. Dois terços são projetos públicos e os restantes de natureza privada.

Estima-se que, em 2020, os turistas com necessidades específicas representem 862 milhões de viagens na Europa.

“Praia Acessível”, um exemplo a seguir

O programa “Praia Acessível” foi lançado em 2005 e, 14 anos depois, inclui mais de 200 praias em todo o país.

Teresa Ferreira, do Turismo de Portugal, revelou que no ano passado existiam 214 praias acessíveis; este ano, a expectativa é que aumentem para, pelo menos, 220. O programa mudou a vida de muita gente, frisou a secretária de Estado do Turismo.

“Hoje damos um passo em frente, com uma nova categoria: os festivais acessíveis. Portugal não faz sentido se não for para todos”, defendeu.

No anúncio conjunto, Ana Mendes Godinho admitiu que, ao longo dos últimos quatro anos, muito tem aprendido com a colega de Governo cega, Ana Sofia Antunes. “Aprendemos muito uma com a outra”, avançou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.