Tempo
|
A+ / A-

Função Pública. Sindicatos esperam que promessa de Costa não seja apenas eleitoralismo

15 jun, 2019 - 11:31 • Filomena Barros, com Rui Barros

“Para 2020 é bom que assim seja, mas já ontem era tarde”, diz o líder da FESAP sobre as promessas de Costa.

A+ / A-

A Frente de Sindicatos da Administração Pública (FESAP) espera que a promessa de mais contratações na função pública feita por António Costa este sábado não seja apenas uma promessa eleitoralista.

“É fundamental que os partidos políticos todos, nomeadamente o que está no Governo, tenham em consideração as necessidades de aumento de investimento na administração pública”, diz João Abraão, dirigente da FESAP à Renascença.

Questionado sobre a promessa feita este sábado em entrevista ao semanário “Expresso” de mais contratações e aumentos na Função Pública até 2020, Abraão começa por dizer que “é melhor fazer do que efetivamente prometer” e recorda ao primeiro-ministro e líder dos socialistas que “há questões que não podem ser adiadas”.

“Para 2020 é bom que assim seja, mas já ontem era tarde”, comenta o sindicalista, que recorda as notícias que têm vindo a público sobre a degradação dos serviços públicos.

“Basta olhar, por exemplo, quanto tempo demora a atribuir uma pensão, basta ver quanto tempo demora para tirar um simples bilhete de identidade, que antes era tirado em dois/três dias, basta perceber o que é a falta de pessoal na área da saúde, nas escolas, para perceber que não se pode adiar mais e não podemos andar mais no jogo da política, no jogo das promessas”, diz o dirigente da FESAP à Renascença.

“É uma necessidade que não é mais adiável”, reforça.

José Abraão lembra ainda que os sindicatos da administração pública devem ser ouvidos sobre estas matérias de salários e contratações. “É obrigatório que assim seja”, diz.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • FP
    15 jun, 2019 expoliado 12:30
    Ainda acreditam nesse tipo? Precisamos mesmo de novos Sindicatos ...