A+ / A-

Plástico que ingerimos por semana dá para fazer um cartão de crédito

12 jun, 2019 - 10:37 • Lusa

A primeira fonte é a água, especialmente se for engarrafada. Entre outros produtos analisados, os frutos do mar, a cerveja e o sal apresentam a taxa mais elevada de microplásticos.
A+ / A-

A associação ambientalista World Wildlife Fund (WWF) estima que uma pessoa pode ingerir, em média, até cinco gramas de plástico por semana, o peso de um cartão de crédito.

De acordo com os resultados da investigação, que contempla 50 estudos realizados sobre a ingestão humana de plásticos, cada pessoa ingere cerca de 2.000 micropartículas de plástico todas as semanas, ou seja, cerca de 250 gramas por ano.

Os microplásticos são pequenos pedaços, às vezes microscópicos, que surgem de produtos maiores devido à degradação pelo meio ambiente.

Estudos anteriores já apontavam para a ingestão de milhares de partículas de microplásticos todos os anos, mas o desafio para os investigadores da Universidade de Newscastle, na Austrália, que esteve a cargo da investigação encomendada pela WWF, era medir o peso.

"Numa altura em que está a aumentar a consciencialização sobre a existência de microplásticos e o seu impacto no meio ambiente, este estudo fornece pela primeira vez um cálculo preciso das taxas de ingestão", disse a investigadora Thava Palanisami.

Para a professora da Universidade de Newscastle, este estudo "ajuda a identificar os potenciais riscos toxicológicos para os seres humanos".

A primeira fonte é a água, especialmente se for engarrafada. Entre outros produtos analisados, os frutos do mar, a cerveja e o sal apresentam a taxa mais elevada de microplásticos.

Alerta geral para um problema cada vez maior

"É um alerta para os governos: os plásticos não só poluem os nossos rios e oceanos, não matam apenas a vida marinha, mas estão em todos nós", declarou, em comunicado, o diretor da WWF (Fundo Mundial para a Natureza), Marco Lambertini.

"A investigação reflete os potenciais efeitos negativos do plástico na saúde humana, mas este é um problema global que só pode ser resolvido abordando as raízes da poluição: se não queremos plástico nos nossos corpos, temos de travar os milhões de toneladas que são depositadas na natureza todos os anos", acrescentou.

Lambertini apelou ainda à realização de uma campanha global, que envolva "governos, empresas e consumidores", no sentido de se atingir "um pacto internacional" contra a poluição dos oceanos, através de objetivos nacionais.

Desde que começou a produção massiva de plásticos, na década de 40, estes versáteis polímeros expandiram-se rapidamente por todo o mundo e, apesar de em muitos sentidos terem tornado a vida mais fácil, a sua eliminação é um problema cada vez maior.

Há uma enzima que “come” plástico e pode ajudar no combate à poluição
Há uma enzima que “come” plástico e pode ajudar no combate à poluição
"Ilha de lixo" no Pacífico é 16 vezes maior do que se pensava
"Ilha de lixo" no Pacífico é 16 vezes maior do que se pensava

legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Oliveira
    13 jun, 2019 Sintra 17:31
    “ I’m not saying Hemp is going to save the World. But it’s the only thing that can.” Jack Herer (jackhererfoundation.org)