|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Rui Correia elogia Buffon, mas "torce o nariz" a aposta do FC Porto

11 jun, 2019 - 18:15 • Rui Viegas

Antigo guarda-redes dos dragões é defensor de alguém com maior margem de progressão para a baliza.

A+ / A-

Rui Correia não põe em causa a qualidade de Gianluigi Buffon, contudo, "torce o nariz" ao interesse do FC Porto, confirmado pela Renascença, no guarda-redes italiano, que completa 42 anos em janeiro.

O antigo guarda-redes, que passou pelos quadros azuis e brancos entre 1997 e 2001, acredita que o Porto estudou a condição fisica atual de Buffon, de 41 anos. No entanto, em entrevista a Bola Branca, assume-se defensor de uma aposta de maior futuro para a baliza da equipa de Sérgio Conceição, em face da indisponibilidade de Iker Casillas.

"Sei que é, foi, um excelente guarda-redes, mas estar a falar do Buffon para um patamar como o Porto é uma incógnita, porque não sabemos o que pode acontecer a um guarda-redes com a idade dele. Só o futuro o dirá. Uma aposta num guarda-redes com uma perspectiva de futuro, mais ambiciosa, mais sólida, seria mais aceitável e com mais alguma lógica", sustenta Rui Correia.

Para Rui Correia, "o histórico de Buffon" fala por si, mas restam "dúvidas" quanto ao guardião estar nas condições físicas exigidas. "O Porto deve ter um conhecimento de causa do valor atual dele", refere.

Esta época, "Gigi" Buffon fez 25 jogos pelo PSG. Campeão do mundo pela Itália em 2006, o guarda-redes é um dos jogadores mais titulados em atividade: nove vezes campeão italiano, pela Juventus, venceu ainda cinco Taças de Itália e seis Supertaças. Foi, também, campeão francês em Paris e venceu uma Supertaça. Ergueu uma Taça UEFA, pelo Parma, e sagrou-se campeão da Europa de sub-21.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.