Tempo
|
A+ / A-

Um quinto dos trabalhadores portugueses ganha o salário mínimo

07 jun, 2019 - 18:58 • Ana Carrilho

O peso dos salários inferiores a 600 euros tem vindo a descer, reforçando os escalões acima. No primeiro trimestre deste ano, o rendimento médio mensal líquido dos trabalhadores por conta de outrem ultrapassou pela primeira vez os 900 euros.

A+ / A-

Veja também:


Cerca de 700 mil trabalhadores ganhavam o salário mínimo de 580 euros no final do ano passado, ou seja, um quinto do total dos trabalhadores.

Este é um dos dados que consta do balanço sobre o mercado de trabalho em Portugal que o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita, apresentou esta sexta-feira à tarde aos parceiros sociais na reunião de Concertação Social.

O peso dos salários inferiores a 600 euros tem vindo a descer, reforçando os escalões acima. No primeiro trimestre deste ano, o rendimento médio mensal líquido dos trabalhadores por conta de outrem ultrapassou pela primeira vez os 900 euros.

No que toca ao emprego, o volume cresceu, ainda não atingiu os níveis de 2008, mas já está acima dos níveis pré-crise. E sobretudo, o emprego a tempo inteiro.

Em termos etários, de destacar os 150 mil empregos criados desde 2015 para trabalhadores entre os 55 e 64 anos. Foi o escalão a registar maior crescimento – 22% - seguido do dos jovens, 20%, o que equivale a 50 mil empregos criados.

No entanto, o documento não refere o tipo de vínculo de trabalho associado a estes novos empregos.

Destaque também para a queda do desemprego de longa duração que, atualmente é menos de metade do desemprego total. Atinge 165 mil pessoas. O desemprego jovem também baixou e no primeiro trimestre deste ano estava em 17,6%.

O relatório apresentado por Miguel Cabrita revela o crescimento da contratação coletiva. Até maio deste foram assinadas 105 convenções coletivas, abrangendo 224 mil trabalhadores, mais 34 mil do que em igual período do ano passado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.