A+ / A-

Venezuela. Jornalistas rompem bloqueio militar e entram à força no Parlamento

05 jun, 2019 - 00:39

Após a rutura da barreira militar, o presidente do parlamento, o opositor Juan Guaidó, aproximou-se dos jornalistas a quem manifestou solidariedade.

A+ / A-

Dezenas de jornalistas romperam esta terça-feira o bloqueio imposto por efetivos da Guarda Nacional Bolivariana (GNB, polícia militar) e entraram à força na Assembleia Nacional (AN), onde a oposição detém a maioria.

"Hoje os jornalistas venezuelanos regressam ao Palácio Federal Legislativo, de onde nunca deveriam sair", disse Marco Ruiz, presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Imprensa (SNTP), uma vez ultrapassada a barreira policial.

Por outro lado, a deputada opositora Maria Beatriz Martínez, sublinhou que não havia motivos para impedir a entrada aos jornalistas.

"Com o grito de imprensa livre, um direito de todos, abrimos as portas", frisou.

A entrada forçada foi apoiada por representantes do SNTP e vários deputados opositores, que celebraram a decisão, num país onde o acesso dos jornalistas às instituições públicas é cada vez mais restringido.

Os jornalistas pretendiam fazer a cobertura da sessão parlamentar ordinária, mas tinham sido barrados pela GNB, que os mantinha numa área afastada do hemiciclo protocolar e da própria AN.

Após a rutura da barreira militar, o presidente do parlamento, o opositor Juan Guaidó, aproximou-se dos jornalistas a quem manifestou solidariedade. "Celebremos o regresso da imprensa livre no parlamento. O terreno do regime é a desinformação e a censura", disse.

Desde 30 de abril que a GNB tem impedido a entrada dos jornalistas no parlamento, situação que, segundo Marco Ruíz, é "uma violação continuada da liberdade de expressão e do direito à informação" dos venezuelanos.

Em várias oportunidades os militares têm também impedido os deputados de acederem ao parlamento, tendo numa dessas situações, a 08 de maio passado, dia em que a Assembleia Constituinte (composta unicamente por simpatizantes do regime) levantou a imunidade de vários parlamentares opositores.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.