|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Crónica

Agustina, o consolo do riso

03 jun, 2019 - 14:23 • Crónica de Patrícia Reis

"Quando se conhece um génio espera-se distância e Agustina envolveu-me num imenso abraço de histórias e de riso, sempre o riso".

A+ / A-

Maria Agustina gostava de rir. Não será a característica mais badalada da escritora-génio mas será sempre no riso que a encontrarei.

Conhecer Agustina, privar com ela, foi uma imensa generosidade de outra escritora ímpar, a Inês Pedrosa, que me arrastou para um almoço no Grémio Literário, ali na Rua Ivens em Lisboa. Ainda estávamos no século XX. Arrastou-me porque eu estava coberta de timidez e vergonha, conhecer a Agustina era conhecer alguém que eu já amava sem ela o saber. Amava a forma como entendia o mundo e nos dava num romance a possibilidade de repensarmos as grandes inquietações da nossa alma.

Admirava infinitamente a sua maneira de driblar a linguagem, conhecedora profunda dessa pátria feita de palavras. O almoço foi o princípio de uma amizade e foi a surpresa de a conhecer tão próxima de mim.

Quando se conhece um génio espera-se distância e Agustina envolveu-me num imenso abraço de histórias e de riso, sempre o riso. Devo-lhe muito, devo-lhe tanto. Uma vez disse-lho e ela respondeu que os encontros na vida não são coisa pouca. Agustina era grande e será sempre um pouco minha.


* Escritora

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.