RR
|
A+ / A-

Países europeus e ONU avançam para criação de tribunal para julgar jihadistas

03 jun, 2019 - 17:08 • Lusa

Tribunal ainda terá de ser aprovado no Conselho de Segurança da ONU e não se sabe ao certo onde se poderia localizar.

A+ / A-

Especialistas de 11 países europeus e representantes da União Europeia e da ONU realizaram hoje a primeira reunião para criar um tribunal internacional para julgar jihadistas que combateram com o grupo extremista Estado Islâmico na Síria e no Iraque.

Os resultados deste encontro realizado em Estocolmo, Suécia, vão ser apresentados na sexta-feira no final de uma reunião dos ministros do Interior da União Europeia, indicou o ministro sueco do Interior, Mikael Damberg.

Damberg elogiou o "grande e crescente interesse" internacional pela iniciativa que reuniu especialistas da Noruega, Finlândia, Dinamarca, Áustria, Alemanha, Bélgica, Holanda, França, Suíça e Reino Unido, além da Suécia.

O ministro sueco do Interior também revelou que o Governo holandês tem previsto convocar uma conferência internacional sobre o assunto em setembro, em Nova Iorque, coincidindo com a realização da assembleia-geral das Nações Unidas (ONU).

Para Mikael Damberg, a criação de um tribunal internacional na zona de conflito permitiria "estar mais perto das provas e assegurar testemunhos, o que resultaria em mais sentenças".

Esse tribunal internacional teria que ter a aprovação do Conselho de Segurança da ONU e a sua eventual localização é ainda uma incógnita.

Vários países, como a Alemanha ou a Suécia, assim como a Comissão dos Assuntos Externos do Parlamento Europeu, defenderam o interesse de criar um tribunal internacional para julgar os jihadistas que combateram com o grupo Estado Islâmico.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.