RR
|
A+ / A-

Papa beatifica mártires romenos e participa numa divina liturgia

02 jun, 2019 - 01:11 • Aura Miguel , enviada especial à Roménia

No última dia da visita à Roménia, Francisco beatifica sete bispos greco-católicos que se recusaram a pactuar com o regime comunista e, por causa da sua fidelidade ao Papa, foram presos, cruelmente torturados e mortos.

A+ / A-

Francisco passa este domingo, último dia da visita à Roménia, no coração da Igreja greco-católica romena, na cidade de Blaj, onde preside a uma celebração histórica.

Pela primeira vez, Francisco participa numa divina liturgia, ou seja, uma eucaristia celebrada, não segundo o rito latino, mas sim oriental.

O Papa argentino será ajudado pelo cardeal romeno deste rito, porque o modo de celebrar é muito semelhante ao dos ortodoxos.

Mas o destaque vai, sobretudo, para os sete mártires que Francisco beatifica: são sete bispos greco-católicos que se recusaram a pactuar com o regime comunista e, por causa da sua fidelidade ao Papa, foram presos, cruelmente torturados e mortos, entre os anos 50 e 70.

Morreram na prisão, exceto um deles, detido em casa. Grande parte deles foram sepultados de noite, sem caixão, na fossa comum dos pobres, para evitar que, mais tarde, os católicos pudessem venerar os seus túmulos.

Ainda neste domingo, antes de regressar a Roma, Francisco encontra-se com um grupo da etnia Rom, num bairro da periferia da mesma cidade de Blaj.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.