A+ / A-

​Brexit. Donald Trump recomenda saída sem acordo e sem pagar

02 jun, 2019 - 23:43

Presidente norte-americano considera que Londres tinha cometido um “erro” não envolvendo Nigel Farage nas negociações com Bruxelas.
A+ / A-

O Presidente norte-americano, Donald Trump, defende que o Reino Unido deve abandonar a União Europeia (UE) sem acordo, na véspera de uma visita de estado de três dias ao país.

Para Trump, o futuro sucessor de Theresa May à frente do governo britânico devia simplesmente parar de discutir e “bater com a porta” do bloco europeu, sem pagar a fatura do divórcio estabelecida no acordo feito com Bruxelas em novembro.

“Se não obtém o acordo que querem, eu abandonaria” a mesa de negociações, disse Trump numa entrevista ao "Sunday Times".

“Se fosse eles, não pagaria os 50 mil milhões de dólares”, adiantou, numa referência ao pagamento dos compromissos do Reino Unido no quadro do orçamento europeu plurianual em curso (2014-2020), cujo montante é calculado por Londres entre 40 e 45 mil milhões de euros.

O Presidente norte-americano considerou ainda que Londres tinha cometido um “erro” não envolvendo Nigel Farage nas negociações com Bruxelas.

Ex-chefe do partido eurocético UKIP (Partido da Independência do Reino Unido), Farage é atualmente líder do Partido do Brexit, que venceu as recentes eleições europeias.

“Gosto muito do Nigel. Ele tem muito para dar”, declarou Trump.

As declarações seguem-se a outras pouco diplomáticas divulgadas no sábado pelo jornal The Sun, em que Trump reitera críticas ao modo como Theresa May negociou o ‘Brexit’, considerando que os europeus “nada tinham a perder” porque a primeira-ministra demissionária britânica lhes “deixou todas as cartas” na mão.

Também manifestou o seu apoio ao ex-ministro dos Negócios Estrangeiros Boris Johnson para suceder a May, que abandonará as suas funções no próximo dia 7.

Foi justamente para evitar uma saída sem acordo que o governo conservador de Theresa May adiou a data do ‘Brexit’ – inicialmente prevista para 29 de maio – para 31 de outubro, depois do acordo que fez com Bruxelas ter sido rejeitado três vezes pelos deputados britânicos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.