Tempo
|
A+ / A-

WikiLeaks

ONU afirma que Assange foi vítima de "tortura psicológica prolongada"

31 mai, 2019 - 13:58 • Tiago Palma

Segundo o especialista da ONU em matéria de tortura que avaliou o fundador da WikiLeaks, "é óbvio que a saúde de Assange foi seriamente afetada pelo ambiente extremamente hostil e arbitrário a que foi exposto durante vários anos" na embaixada do Equador em Londres.

A+ / A-

Depois de quase sete anos a viver exilado na embaixada do Equador em Londres, as Nações Unidas não têm dúvidas: Julian Assange foi vítima de "tortura psicológica".

Segundo Nils Melzer, especialista da ONU em matéria de tortura que avaliou, acompanhado por médicos especializados, o fundador da WikiLeaks no passado dia 9 de maio, Assange, de 47 anos, “foi deliberadamente exposto, durante um período de vários anos, a formas progressivamente mais cruéis, desumanas e degradantes de punição, com efeitos cumulativos que só podem ser descritos como tortura psicológica".

Ainda segundo o especialista das Nações Unidas, "é óbvio que a saúde de Julian Assange foi seriamente afetada pelo ambiente extremamente hostil e arbitrário a que tem estado exposto há vários anos". "A perseguição coletiva de Julian Assange deve terminar agora!", defende Nils Melzer, citado pela Reuters.

O fundador da WikiLeaks foi entregue a 11 de abril pela Embaixada do Equador às autoridades britânicas, tendo sido julgado e sentenciado a 50 semanas de prisão, no começo de maio, pela violação das condições da sua liberdade condicional.

Mas o fundador da WikiLeaks poderá também ser extraditado para os Estados Unidos, onde a justiça norte-americana o pretende ver julgado, entre outros crimes, por espionagem e publicação de documentos confidenciais. Na origem do pedido de extradição está a colaboração de Assange com a ex-soldado norte-americana Chelsea Manning, que em 2010 forneceu à WikiLeaks mais de 700 mil documentos secretos relacionados com a guerra no Afeganistão

A justiça dos EUA pretende ter igualmente Assange no banco dos réus devido à divulgação de e-mails internos do Partido Democrata durante as primárias norte-americanas, e-mails esses que comprometiam a candidata (acabaria por derrotar Bernie Sanders nas primárias, mas perderia as presidenciais para Donald Trump em novembro) Hillary Clinton.

Nils Melzer recusa tal cenário, pois a ONU teme a condenação à morte do fundador da WiliLeaks.

A audiência de extradição de Julian Assange para Estados Unidos foi esta semana adiada pelo tribunal de Westminster devido a motivos de saúde do fundador do WikiLeaks.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.