|
A+ / A-

Mais médicos de família? Não chega, diz Associação de Medicina Geral

20 mai, 2019 - 11:45 • Redação

Rui Nogueira reage à garantia dada pela secretária de Estado da Saúde na Renascença. Raquel Duarte diz que todos os portugueses terão médico de família em 2020.

A+ / A-

Veja também:


“Se hoje tivéssemos médicos de família em número suficiente [para todos os portugueses], ainda assim, não teríamos possibilidade de fazer cobertura universal”, afirma o presidente da Associação de Medicina Geral e Familiar.

Na opinião de Rui Nogueira, é preciso investir em equipas de saúde e não exclusivamente em médicos de família.

“Faltam enfermeiros, faltam secretários clínicos e faltam estruturas clínicas. Portanto, logo à partida, é preciso canalizar recursos, é preciso investir para que seja possível termos esta situação de cobertura universal atingida em 2020 ou 2021”, defende, em declarações à Renascença.

Rui Nogueira reage assim à garantia dada, nesta segunda-feira de manhã, pela secretária de Estado da Saúde, para quem é tudo uma questão de fazer contas.

“Qualquer estimativa é feita em modelos matemáticos que vão ter em conta aquilo que entra e aquilo que sai”, referiu Raquel Duarte no programa As Três da Manhã.

“Aquilo que entra baseia-se nos médicos que acabam a formação e naqueles que pretendem ficar. Aquilo que sai, prende-se com os médicos que são reformados ou decidem fazer outro tipo de vida profissional. O que sabemos é que nesta altura temos cerca de 400 médicos a sair: cerca de 200 que sairão por reforma durante 2019, 200 em 2020. Obviamente, aquilo que se pensa é que, de facto, em 2020, se não houver nenhuma alteração, nós conseguiremos atingir o nosso objetivo”, explicou.

A promessa de todos os portugueses virem a ter um médico de família é antiga e ainda não foi cumprida, mas Raquel Duarte diz que será possível a partir do próximo ano.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.