A+ / A-
Europeias 2019

Marisa recusa lições de Durão Barroso sobre combate ao populismo

16 mai, 2019 - 01:06 • Lusa

"Vemos Durão Barroso a dar aulas de como se deve combater o populismo. O populismo alimenta-se e cresce com as políticas iguais às de Durão Barroso", criticou a primeira candidata do BE às eleições europeias.
A+ / A-

A primeira candidata do BE às eleições europeias, Marisa Matias, recusou-se, na quarta-feira, a aceitar lições de Durão Barroso sobre como combater o populismo, uma vez que este fenómeno se alimenta de políticas como as do antigo presidente da Comissão Europeia.

Num jantar-comício da campanha às europeias do BE, em Leiria, Marisa Matias começou o seu discurso por lamentar o acidente rodoviário que envolveu quarta-feira Pedro Santana Lopes e Paulo Sande, do Aliança, deixando os votos de "rápida recuperação" ao líder e cabeça de lista daquele partido.

A cabeça de lista do BE explicou que o dia foi dedicado à memória quando ressurgem na Europa "as sombras do fascismo", instando ao "romper com este modelo de União Europeia" porque "a extrema-direita não se combate com o grande bloco central dos mesmos, com as mesmas políticas, para dar garantia de que tudo ficará exatamente na mesma".

"Durão Barroso andou 10 anos a prometer que regulava o sistema financeiro. Disso não vimos rigorosamente nada. Agora, o que vemos é Durão Barroso a dar aulas de como se deve combater o populismo. O populismo alimenta-se e cresce com as políticas iguais às de Durão Barroso", criticou.

Por isso, Matias rejeita lições do antigo presidente da Comissão Europeia, que a única coisa que fez durante os seu mandato foi conseguir "chegar ao pior banco do mundo".

"Para combater a extrema-direita o que temos de apresentar é uma alternativa económica e social. A resposta à extrema-direita passa mesmo por mais justiça social. Não é Durão barro0so que nós diz como é que vai ser", atirou, ainda, a candidata bloquista.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.