|
A+ / A-

Maduro volta a exigir milhões retidos em Portugal. Um "assalto em plena luz do dia"

10 mai, 2019 - 07:18 • Lusa

Presidente acusou Portugal e o Estados Unidos de roubarem Venezuela. Dinheiro destinado à compra de alimentos e medicamentos.

A+ / A-

O Presidente da Venezuela voltou a reclamar os 28,35 mil milhões de euros retidos nos Estados Unidos e em Portugal, valor que disse estar destinado à importação de alimentos e medicamentos.

Segundo Nicolás Maduro, os Estados Unidos "roubaram à Venezuela" 30 mil milhões de dólares (26,81 mil milhões de euros) e em Portugal estão retidos 1,7 mil milhões de dólares (1,54 milhões de euros à taxa de câmbio atual).

"Há que aumentar (os esforços) para enfrentar o bloqueio económico que faz o Governo imperialista de Donald Trump. Uma sabotagem anormal, desumana. [O Governo norte-americano] sabota todas as importações que fazemos de matéria prima. Temos que inventar mil caminhos para comprar e para trazer o que o país precisa para fazer medicamentos", disse.

Maduro falava no Forte de Tiuna, a principal base militar de Caracas, durante um ato que teve como tema central a saúde e que foi transmitido pela televisão estatal venezuelana.

"Em Portugal, por exemplo, num banco chamado Novo Banco, roubaram-nos 1.726 milhões de dólares que estavam destinados para trazer medicamentos. Assalto em plena luz do dia, por ordem do Governo 'gringo' americano", acusou.

"Temos de enfrentar e vamos continuar a enfrentar. Faça chuva, trovoada ou relâmpagos, ninguém nem nada deterá o rumo da revolução bolivariana na saúde e em todos os campos da nossa vida. Ninguém nos vai tirar o direito ao futuro, à felicidade e à paz, o direito à vida, não vou vão tirar", acrescentou.

Cerca de cinco dezenas de venezuelanos protestaram na quinta-feira junto ao Consulado-Geral de Portugal em Caracas, para exigir que o Governo português desbloqueie 1.543 milhões de euros que estão retidos no Novo Banco.

O protesto foi convocado pela Asobien, uma organização não governamental (ONG) dedicada a doentes com Parkinson e outras doenças, que insiste que esses recursos se destinam ao tratamento de doentes venezuelanos, no exterior.

Já em 17 de abril, o Presidente da Venezuela tinha exortado o Governo português a desbloquear os ativos do Estado venezuelano retidos no Novo Banco, sublinhando que o dinheiro será usado para comprar "todos os medicamentos e alimentos".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Henrique Coutinho Garrido Anastacio
    10 mai, 2019 Porto 10:04
    Este ditador corrupto já não sabe que desculpas mais há de inventar para sacudir a responsabilidade de estar a levar um dos países mais ricos do mundo em recursos naturais á miséria. "Todo reino dividido não pode subsistir" (Jesus Cristo) este usurpador do poder semeou durante anos a divisão e o ódio no seu país. Está a recolher os frutos e ainda a procissão vai no adro. O que é triste é que são sempre os mesmos que sofrem mais, o povo humilde que nem pertence ao partido do ditador, nem é oficial das forças armadas, nem pode fugir para o estrangeiro.
  • Cidadao
    10 mai, 2019 Lisboa 09:37
    Os fundos monetários "dele" estão bloqueados em todo o lado, mas é a nós que o tipo vem chatear. Oh Maduro, acho que nos devias era "declarar a Guerra" ...