Tempo
|
A+ / A-

Reino Unido

Brexit aumentou em 93% a procura dos consulados portugueses

10 mai, 2019 - 07:08 • ​​Marília Freitas​ , Inês Rocha

Consulados em Londres e Manchester foram reforçados com mais funcionários, que fazem horas extraordinárias para responder aos pedidos dos portugueses no Reino Unido.

A+ / A-
Portugueses em Londres descontentes com o consulado antes do Brexit. “Não me apanham mais aqui”
Portugueses em Londres descontentes com o consulado antes do Brexit. “Não me apanham mais aqui”

A decisão do Reino Unido de sair da União Europeia fez aumentar exponencialmente a procura dos serviços dos consulados portugueses, quer em Londres, que em Manchester.

“De 2015 até 2018 o crescimento foi muito significativo”, diz o secretário de Estados das Comunidades Portuguesas à Renascença. Em 2015, por exemplo, foram feitos 43 mil atos no consulado de Londres. Em 2018, esse número cresceu para mais de 71 mil.

Situação semelhante verificou-se em Manchester. “Praticámos 23 mil atos em 2015 e em 2018 tínhamos cerca de 45 mil”, revela José Luís Carneiro. Segundo o secretário de Estado este “salto” só foi possível porque foi acompanhado de um reforço dos “meios humanos em 25%”.

“Mas quando ocorre o Brexit, o crescimento da procura foi de 93%”, acrescenta, o que levou o Governo português a conceber e implementar um plano de contingência. O consulado de Londres foi reforçado com mais 12 funcionários e o de Manchester com outros quatro.

Já no início deste mês “foi mais um equipa de 11 funcionários, cinco do Ministério dos Negócios Estrangeiros, três do Ministério da Administração Interna e três do Ministério da Justiça”, que irá permanecer no Reino Unido até outubro.

Além disso, salienta José Luís Carneiro “os funcionários de Manchester e de Londres aceitaram fazer horas extraordinárias, alargando o horário de atendimento, para poderem corresponder às necessidades dos nossos cidadãos no Reino Unido”.

Um reforço que tem sido sentido pelos portugueses no terreno, mas que não afasta algumas críticas. Na reportagem da Renascença "De Interrail nas Eleições Europeias", ainda há quem se queixe de falta de eficiência daquela instituição. Problemas antigos que só se intensificaram com o Brexit, diz quem lá vive há anos.

O secretário de Estado das Comunidades garante que o plano de contingência está pensado “em função das estimativas de procura”, mas pede aos portugueses “que têm os seus documentos a expirar” para “tratar já de fazer o agendamento”.

Lembra ainda que há uma Linha Brexit e uma aplicação que permite aceder aos requerimentos para obter o estatuto de residente.

José Luís Carneiro deixa também uma “palavra de tranquilidade”, recordando que, se houver acordo para o Brexit, depois da data de saída, haverá ainda dois anos para que as pessoas regularizar os seus documentos. No caso de um ‘hard Brexit’, esse período será de um ano.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+