|
A+ / A-

Tancos. Direita e Bloco querem saber como e quando soube Costa da recuperação das armas

08 mai, 2019 - 22:25 • Lusa com Redação

As três bancadas endereçaram 65 perguntas a António Costa, enviadas no âmbito da comissão parlamentar de inquérito, e às quais o primeiro-ministro tem de responder no prazo de 10 dias.

A+ / A-

CDS, PSD e BE querem saber quando e como o primeiro-ministro, António Costa, teve conhecimento do memorando entregue pela PJ Militar sobre a recuperação do material furtado dos paióis nacionais de Tancos, em 2017.

A questão, formulada de várias formas, é colocada pelas três bancadas que endereçaram, no total, 65 perguntas a António Costa, enviadas no âmbito da comissão parlamentar de inquérito a Tancos, e às quais o chefe do Governo tem de responder no prazo de 10 dias após a receção.

O CDS, partido que propôs o inquérito, é o partido que mais perguntas apresenta, questionando as principais questões levantadas ao longo de meses de trabalhos da comissão, incluindo saber porque manteve a confiança em Azeredo Lopes, ministro da Defesa, de 2017 a 2018, ano em que se demitiu.

Os centristas querem também saber por que motivo Costa disse, a 26 de outubro de 2018, que não conhecia o memorando, feito por dois oficiais da Polícia Judiciária Militar (PJM), quando o seu chefe de gabinete afirmou que lho entregara a 12 de outubro, dia em que Azeredo Lopes se demitiu.

Os centristas querem igualmente saber por que motivo ocultou e “nada tenha feito”, “durante quase um ano”, apesar de “o Governo” ter recebido, através do chefe de gabinete do ex-ministro Azeredo Lopes, o memorando entregue por dois oficiais da PJ Militar a 20 de outubro de 2017.

No documento, o CDS cita, entre aspas, esse memorando, para descrever que o informador da PJ Militar colocou como condição o “não envolvimento da PJ” na operação que levou à recuperação do material, quatro meses após o furto, que pretende que António Costa descreva como avaliou esta informação e que medidas tomou quando dela teve conhecimento.

O PSD é o único a perguntar quais “as consequências políticas” que retira do caso, se o Estado “falhou na avaliação inicial” e se teve uma “atitude de desvalorização e desresponsabilização”, que “permitiu todo o avolumar do caso Tancos”.

“Que responsabilidades políticas retira deste processo de Tancos que provocou, através de uma gestão desastrosa deste dossier por parte do Governo, feridas profundas na instituição militar, nomeadamente no Exército português? Considera que o Governo agiu de acordo com as suas responsabilidades neste caso?”, questionou a bancada do PSD.

O BE foi o que apresentou menos questões, apenas duas, para perguntar quando “teve o primeiro-ministro conhecimento de algum memorando”, em que mencionava um informador da PJ Militar para “a recuperação do material” e quem lhe transmitiu essa informação ou documento.

O furto de material de guerra foi divulgado pelo Exército a 29 de junho de 2017. Quatro meses depois, a PJM revelou o aparecimento do material furtado, na região da Chamusca, a 20 quilómetros de Tancos, em colaboração de elementos do núcleo de investigação criminal da GNR de Loulé.

Entre o material furtado estavam granadas, incluindo antitanque, explosivos de plástico e uma grande quantidade de munições.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.