|
A+ / A-
Europeias 2019

Assunção Cristas. "Só tenho uma ponta de inveja do PS"

06 mai, 2019 - 08:39 • Marta Grosso com redação

Líder do CDS explica na Renascença porque votará contra a lei que permite a recuperação total do tempo de serviço dos professores e revela que já falou com Rui Rio, presidente do PSD.

A+ / A-

Veja também:


Assunção Cristas não nega: a semana passada correu-lhe mal. “Certamente”, confirma em entrevista à Renascença, que esta semana entrevista os líderes dos partidos candidatos às eleições europeias de 26 de maio.

Durante a semana que passou, o eurodeputado Nuno Melo afirmou que o partido Vox não era de extrema-direita, teve a polémica das passadeiras arco-íris em Lisboa e ainda a votação da reposição do tempo de carreira dos professores que quase levou à demissão do Governo.

Perante tudo isto, Assunção Cristas diz ter aprendido uma lição: “Há muito trabalho a fazer para aprender a comunicar”.

E admite: “Só tenho uma ponta de inveja do Partido Socialista, porque, de facto, tem uma máquina de propaganda e de comunicação imensa. Conseguem transformar uma mentira e absoluta mentira numa verdade de que toda a gente acaba por ficar convencida”, conclui.

Sobre a questão dos professores, a líder do CDS garante que não existe qualquer recuo.

“A nossa posição foi sempre a mesma, nunca mudou no último ano e meio. Nós sempre dissemos isso aos professores”, isto é, sem a salvaguarda financeira, o CDS votará contra a lei que permite a recuperação total do tempo de serviço dos professores.

“A salvaguarda é imprescindível e isso ficou claro na nossa votação, acho é que não ficou claro no nosso discurso”, afirma Assunção Cristas, acrescentando: “Nunca houve nem haverá um compromisso firme com um calendário final, porque entendemos que o crescimento económico é um pressuposto e a estabilidade financeira é um limite. E não aceitamos andar para a frente e para trás e dizer aos professores aquilo que não podemos dizer”.

Nesta entrevista no programa As Três da Manhã, a líder do CDS repetiu a intenção de ser recebida pelo Presidente da República e revela que já falou com Rui Rio sobre a polémica em torno do acordo assinado sobre os professores.

“O pedido de audiência mantém-se, se o senhor Presidente da República entender ouvir os partidos”, afirmou.

Quanto à inclusão os nove anos dos professores no programa eleitoral das próximas legislativas (outubro), como promete o PSD, Assunção Cristas diz que “estará no programa eleitoral do CDS olhar para todas as condições, rever as condições de uma carreira que precisa de ser vista e revista há muito tempo”.

“Aqui estamos a falar também de reforma do Estado. Tínhamos aqui uma oportunidade para começar este trabalho. Certamente que teremos questões relacionadas com a revisão da carreira dos professores, com as avaliações, com as aposentações e isso andará a par e passo com a possibilidade de ir recuperando algum tempo”, adianta.

Afinal, o Vox deve ou não integrar o PPE?

Assunção Cristas levanta-se para defender Nuno Melo e esclarecer que o eurodeputado do CDS não afirmou, ao contrário do que se tem dito, que o partido espanhol Vox pode integrar a família do Partido Popular Europeu (PPE).

“Nuno Melo não disse isso. Nuno Melo disse que o Vox poderia pedir a adesão, o que não significa que o PPE a venha a dar e eu creio que não a deve dar”, destacou.

“Na perspectiva do CDS, não faz sentido um partido como o Vox estar no PPE. O CDS foi o primeiro partido do nosso espectro eleitoral que está no PPE – que é PSD e CDS – a manifestar-se contra o Fidesz, da Hungria, e a iniciar um processo com vista à suspensão ou expulsão mesmo”, recorda ainda a líder centrista, sublinhando que o partido tem “as ideias bem claras” sabe “muito bem onde está: na direita democrática, respeitadora dos valores e do humanismo”.

CDS quer “dobrar a representação”

Nuno Melo é o único eurodeputado do CDS. Foi eleito há cinco anos, em lista conjunta com o PSD. Nas eleições deste ano para o Parlamento Europeu, o CDS estabeleceu “como objetivo mínimo dobrar a representação, ou seja, passar para dois eurodeputados”.

“E vamos trabalhar no máximo que pudermos na convicção de que somos a voz e queremos ser a voz de Portugal na Europa”, acrescenta a líder do partido.

“O PS diz que quer ser a voz da Europa em Portugal, nós queremos ser a voz de Portugal e dos portugueses na Europa, na defesa daquilo que é importante para Portugal”, sublinha, concretizando: “tem a ver com o posicionamento em relação aos fundos comunitários e questões tão importantes quanto a União Bancária e a União Energética que, parecendo que não, têm impacto direto na vida dos portugueses, porque nos permitem ter o tal crescimento económico”.

Nesta entrevista à Renascença no âmbito das eleições europeias do próximo dia 26, Assunção Cristas diz que o que mais a preocupa na Europa é que “a União Europeia não consiga, junto de todos os países e junto de todas as pessoas mostrar aquilo que é, o que foi e o que pode vir a ser”.

“Preocupa que a União Europeia não seja capaz de mostrar um projeto estabilizador, um projeto de crescimento, de esperança, muito motivador para as pessoas e povos europeus e haja uma certa sensação de que a Europa já era, que há outras partes do mundo a crescer, dinâmicas, vivas, enérgicas e que nós não estamos a conseguir estar na linha da frente desse ritmo”, resume.

Assunção Cristas foi a primeira líder partidária a ser entrevistada no âmbito das europeias. Seguem-se Jerónimo de Sousa, Catarina Martins, Rui Rio e António Costa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Olha que realmente
    06 mai, 2019 Lisboa 16:39
    Cristas, tal como Rui Rio, foram completamente trucidados pela esperteza táctica de Costa-Centeno e estão completamente aos papeis. Cada vez que abrem a boca para tentar defender que "não recuaram", mais metem os pés pelas mãos. Já que recuaram efetivamente, melhor seria deixarem-se de desculpas de mau pagador que não convencem ninguém e retomarem a agenda de Oposição, falando nas promessas por cumprir, da devolução de rendimentos que não o foi, das cativações que destroem todos os dias o SNS e os serviços públicos, do investimento zero para apresentar bons números em Bruxelas, da ferrovia a cair, da famelga no governo/Estado/autarquias ... Há tanto para apontar a dedo ao governo e vocês Rio
  • Rx
    06 mai, 2019 lx 16:24
    GOVERNO PS - FORA DA LEI. Se existe uma lei de progressões de carreira para certas categorias profissionais da Função Publica, o governo PS só tem de aplicar essa lei, senão, será um governo FORA DA LEI. Se não pode aplicar a lei que ALTERE A LEI, o que requer muita CORAGEM e não JOGADAS POLÍTICAS. Votar PS para quê?
  • J
    06 mai, 2019 Lx 16:00
    Afirma que os outros são eficientes na mentira e na manipulação e que... tem inveja disso! Ou seja, reconhece que gostaria de ser eficiente na mentira e na manipulação!
  • J
    06 mai, 2019 Lx 15:49
    Esta salazarenta não tem vergonha nenhuma na cara. Afirma que os outros são eficientes na mentira e na manipulação e que... tem inveja disso! Ou seja, reconhece que gostaria de ser eficiente enquanto mentirosa e manipuladora! Não tem vergonha alguma!
  • Cidadao
    06 mai, 2019 Lisboa 09:45
    Pode dar à língua o que quiser e desdobrar-se em jogos de palavras, mas o que fica na mente é que o CDS aprovou primeiro e roeu a corda, depois. O resto é semântica. E quanto mais se esforçar por justificar, mais cresce a revolta. É que ainda por cima está a passar um atestado de estupidez às pessoas.