|
Jacinto Lucas Pires-Henrique Raposo
Um escritor, dramaturgo e cineasta e um “proletário do teclado” e cronista. Discordam profundamente na maior parte dos temas. À segunda e quarta, às 9h15
A+ / A-
Arquivo
Jacinto Lucas Pires e Henrique Raposo - Crise Política - 06/05/2019
Jacinto Lucas Pires e Henrique Raposo - Crise Política - 06/05/2019

H. Raposo

"Geringonça acabou. PCP não vai perdoar esta reviravolta"

06 mai, 2019 • Redação


Comentadores da Renasceça analisam crise política e ameaça de demissão do Governo.

O comentador da Renascença Henrique Raposo considera que a crise política espoletada pela aprovação da contagem na íntegra do tempo de carreira dos professores ditou o fim da coligação de esquerda. "A geringonça acabou. O PCP não vai perdoar esta reviravolta", diz.

Raposo contesta a aprovação desta medida e questiona: "porque é que os professores são os únicos que têm o direito a reaver o dinheiro que todos nós perdemos".

Já o escritor Jacinto Lucas Pires critica também a posição assumida pela direita. "CDS e Assunção Cristas, bem como o PSD, saem muito mal deste episódio", afirma, comentando a entrevista da líder do CDS à Renascença na qual admite voltar atrás no apoio à medida.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Vamos ser rigorosos
    06 mai, 2019 Não deturpem 16:47
    Para já, ninguém "recuperou" nada. Recuperar significaria devolver o rendimento perdido em anos e anos de congelamento e isso nunca esteve em cima da mesa. Depois, os professores não são os únicos, nem sequer os primeiro,s pois as carreiras gerais da Função Pública e os professores dos Açores e Madeira, já o recuperaram na integra. Os polícias e militares, já tiveram 70% de recuperação e promoções extra. E aliás, à boleia dos professores já se preparavam para exigir os 100%. Os privados não tiveram nada? Esse problema não é do governo nem sequer dos F.P. os quais obviamente mostram solidariedade para com eles - a inversa quase nunca é verdadeira. Mas esse é um assunto entre os trabalhadores do Privado, os patrões e os sindicatos deles.