|
A+ / A-

PCP acusa PSD e CDS de “calculismo” por recuo na questão dos professores

05 mai, 2019 - 20:07 • Redação

Comunistas criticam recuos da direita no caso da contagem do tempo de serviço congelado aos professores.

A+ / A-

O PCP foi o primeiro partido a reagir às declarações de Rui Rio e Assunção Cristas, que este domingo admitiram não aprovar o diploma que contempla a reposição total da contagem do tempo de serviço dos professores. Num comunicado enviado às redações, o PCP diz que o recuo de PSD e CDS tem por base “critérios de calculista”.

“O recuo agora assumido pelo PSD e pelo CDS confirma, como já haviam revelado no debate em comissão, a sua recusa, em consagrar a valorização remuneratória devida aos trabalhadores. A mudança de posição do PSD e do CDS, mais do que uma cedência ao ultimato do Governo do PS testemunha a convergência de posições com o PS sempre que é necessário para a manutenção de cortes”. pode ler-se no comunicado.

Os comunistas consideram ainda que “não são aceitáveis os ultimatos e pretextos inconsequentes do PS para a demissão do Governo”.

Na nota de imprensa, o PCP garante que “prosseguirá de forma coerente a intervenção e o caminho para a solução que dê resposta a essa e outras aspirações dos trabalhadores e do povo, não se deixando condicionar por pressões”.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.