Quem são os 10 milionários chineses com quem Marcelo jantou?

27 abr, 2019 - 16:33 • Rui Barros , Celso Paiva Sol

Presidente da República deixou elogios a investidores chineses na embaixada portuguesa em Pequim. Saiba quem são e onde investiram em Portugal.
A+ / A-

É um jantar de muitos milhões. No segundo dia da visita de estado de Marcelo Rebelo de Sousa à China, o Presidente da República jantou com 10 CEO’s e chairmans de empresas que já investiram em Portugal.

Somando tudo, estes empresários já investiram nos sectores da banca, dos seguros, da energia e da aviação mais 6 mil milhões de euros.

Na intervenção perante estes empresários, Marcelo Rebelo de Sousa deixou elogios à sua presença em Portugal.

"As empresas chinesas investiram em Portugal num momento de crise, que era um momento muito difícil para a economia portuguesa. Terem tido o sucesso que tiveram, foi um mérito vosso. Não foi nenhum favor, foi de acordo com as regras do direito português e europeu", disse o Presidente da República. "Tiveram um mérito duplo, porque estiveram presentes quando outros que teriam podido estar, não estiveram. Nós queremos que não fiquem por aqui".

Mas quem são estes milionários com quem o Presidente da República jantou na embaixada portuguesa em Pequim? E onde investiram em Portugal?


Lei Mingshan, chairman da China Three Gorges Corporation

A China Three Gorges não é um nome estranho dos portugueses. Já quase todos ouviram ou leram este nome associado a uma grande empresa portuguesa: a EDP. A empresa estatal chinesa, fundada em 1993, detém uma percentagem da EDP, fazendo com que, na prática o Estado chinês tenha uma posição estratégica no sector energético português. Este jantar acontece poucos dias depois da OPA da China Three Gorges à EDP ter caído por terra.

Lei Mingshan assumiu as rédeas da China Three Gorges em 2018, depois do anterior “chairman” Lu Chun, ter sido afastado da empresa estatal pelo executivo chinês. Anteriormente ocupava o vice-ministro dos Recursos Hídricos. É membro do Partido Comunista Chinês.

Wang Qunbin, CEO e fundador da Fosun International Limited

A Fosun é se calhar um pouco menos mediática, mas o seu capital está um pouco por todo o lado em Portugal. Ora vejemos: detém 85% da Fidelidade é ainda a maior acionista do BCP, com 27,06%, e detém 49% da Luz Saúde.

Wang Qunbin é um dos fundadores desta empresa, tendo ocupado o cargo de diretor e presidente.

Qu Qiuping, chairman da Haitong International Securities Group

Depois do colapso do GES, as empresas chinesas viram em Portugal uma oportunidade de investir. Foi o que aconteceu com o Haitong International Securities Group, que viu no Banco Espirito Santo de Investimento (BESI) uma oportunidade de investimento. O negócio custou 379 milhões de euros aos chineses.

De acordo com a Bloomberg, Qu Qiuping está à frente do grupo desde 2014, tendo antes passado pelo “braço” de Xangai do Banco Industrial e Comercial da China.

Li Yongcheng, chairman da Beijing Enterprises Water Group

A Beijing Enterprises Water Group é líder de sistemas de tratamento de água na China. Cá, é dona da Veolia. O negócio custou 95 milhões e foi o primeiro investimento chinês no sector da água na Península Ibérica.

Li Yongcheng é, segundo a Bloomberg, chairman da Beijing Enterprises Water Group, bem como vice da Beijing Enterprises.

Pansy Ho, Diretor da STDM Investimentos Imobiliários / Estoril Sol

Turismo, jogo, imobiliário e transportes marítimos. A Sociedade de Turismo e Diversões de Macau (STDM) começou a investir em Portugal bem cedo, em 1984.

Para além de deter mais de metade do grupo Estoril Sol (dono os casinos do Estoril, Póvoa e Lisboa), a STDM também é dona da Sociedade Gestora do Alto do Lumiar (SGAL), promotora do empreendimento Alta de Lisboa, bem como do Complexo Imobiliário da Boavista, no Porto e é dona da Portline Transportes Marítimos Internacionais.

Pansy Ho é filha do homem que criou o império da STDM, Stanley Ho.

Patrick Yu, Presidente da COFCO

O grupo agroalimentar chinês COFCO - China National Cereals, Oils and Foodstuffs Corporation- vai abrir um centro de serviços partilhados em Matosinhos. No total apontava-se, à data do anuncio do investimento, para a criação de 400 postos de trabalho.

Empresa estatal, está presente em 35 países, empregando 12 mil pessoas em todo o mundo.

Patrick Yu, cujo o nome real é Xubo Yu, é presidente da COFCO desde Abril de 2007, tendo anteriormente trabalhado como diretor-geral na China Agri-Industries Holdings.

Chen Siqing, Presidente do Bank of China

Numa notícia de 2015, o jornal “Público” diz que, em 2014, a filiar deste banco chinês em Portugal tinha tido um prejuízo de 3,1 milhões de euros. Mas isso não afastou esta instituição financeira do país, que tem apoiado na capitalização de ouros grupos económicos nos investimentos em Portugal.

A título de exemplo, em 2014 este banco concedeu um empréstimo de 200 milhões de euros à REN, cujo o maior acionista é a State Grid. Os restantes são a Fidelidade (controlada pela Fosun) e a EDP (cujo o maior acionista é a China Three Georges).

Chen Siqing, atual presidente, está no cargo desde 2014.

Guo Chuntai, chairman da Tianjin EV Energies

Tianjin EV Energies é produtora de baterias de lítio. A Renascença não conhece nenhum investimento desta empresa em Portugal, mas o facto de Portugal ter uma das maiores reservas de lítio da Europa pode ter levado o chairman desta empresa chinesa a querer conhecer melhor o país.

Guan Qing, chairman da CSCEC - China State Construction Engineering Corporation

É uma das maiores construtoras do mundo e criou, em janeiro do ano passado, uma subsidiária em Portugal. Entre as áreas de atuação da estão a construção civil e obras públicas.

Guan Qing é o homem forte desta grande construtora mundial desde 2015.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 28 abr, 2019 10:44
    Oscar! Porque sera que os goienses ricos "nao querem que lhes chamem indianos?