|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Menos 100 vítimas. Sri Lanka revê número de mortos dos ataques

26 abr, 2019 - 06:30 • Redação com Reuters e Lusa

Morgues estão com dificuldades em identificar corpos desmembrados. Demitiu-se o mais alto responsável do Ministério da Defesa do Sri Lanka.

A+ / A-

As autoridades do Sri Lanka reviram em baixa o número de mortos dos atentados bombistas do Domingo de Páscoa. O número oficial de vítimas mortais passou de 359 para 253, anunciou o vice-ministro da Defesa do Sri Lanka.

O motivo para tal discrepância, diz, é a dificuldade das morgues em identificar os corpos, alguns dos quais desmembrados.

O diretor-geral dos serviços de saúde do país avançou também à agência Reuters que o número mortos estaria entre os 250 e os 260. “Há tantas partes de corpos que é difícil dar um número preciso”, disse Anil Jasinghe.

As explosões em três igrejas e quatro hotéis colocaram em evidência falhas nos serviços de inteligência, que já saberiam da ameaça de atentado.

Demissão do mais alto responsável do Ministério da Defesa

Na quinta-feira, demitiu-se o secretário da Defesa do Sri Lanka. “Ele disse ao Presidente que aceita a responsabilidade” pelo fracasso das forças de segurança antes dos atentados, declarou a fonte que não quis ser identificada.

O Sri Lanka reconheceu que fracassou na missão de assegurar a segurança nacional, por dispor de informações prévias de serviços secretos que indicavam que um movimento islamita local se preparava para realizar atentados.

Em 11 de abril, o chefe da polícia do Sri Lanka escreveu uma nota de alerta, indicando que o National Thowheeth Jama’ath (NTJ) preparava ataques suicidas contra “igrejas emblemáticas”.

O alerta baseava-se em elementos fornecidos pelos serviços secretos indianos, indicou hoje à AFP uma fonte com conhecimento do dossier.

O documento foi transmitido a vários altos responsáveis, mas não ao primeiro-ministro nem ao vice-ministro da Defesa, num contexto de guerra aberta entre o Presidente e o primeiro-ministro, Ranil Wickremesinghe.

“Houve claramente uma falha da comunicação dos serviços secretos. O governo deve assumir as suas responsabilidades pois se a informação tivesse sido transmitida às pessoas corretas poder-se-ia talvez ter evitado ou minimizado” os atentados, disse na quarta-feira, em conferência de imprensa, o vice-ministro da Defesa, Ruwan Wijewardene.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.