A+ / A-

Tancos. Assessor militar tem "quase a certeza absoluta" que Costa não sabia da encenação

24 abr, 2019 - 18:29 • Redação

O assessor militar de António Costa foi ouvido esta tarde no Parlamento.

A+ / A-

O assessor militar do primeiro-ministro diz ter "quase a certeza absoluta” de que António Costa não teve conhecimento da encenação da recuperação do material militar de Tancos.

“A convicção que eu tenho é que, na operação de recuperação de material, houve ali uma encenação de uma chamada anónima, alegadamente para proteger um informador”, começou por dizer o major-general Tiago Vasconcelos.

“A noção que eu tenho é - com quase certeza absoluta - de que o senhor primeiro-ministro não sabia de encenação nenhuma”, acrescentou.

O assessor militar de António Costa foi ouvido esta tarde no Parlamento, no âmbito da comissão de inquérito sobre as consequências e responsabilidades políticas do furto do material militar ocorrido em Tancos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Vitor Prata
    24 abr, 2019 20:26
    É uma hipocrisia falar em encenação de uma chamada anonima sem se falar de uma encenação da carta anonima que deu inicio a investigação sobre as circunstâncias da recuperação do material de guerra furtado. Seria curioso conhecer-se a percentagem de inqueritos que têm por base denuncias/cartas/chamadas anônimas ou falsamente anônimas. Ouvir-se um OPC falar de encenação da chamada anonima e de uma hipocrisia que apenas revela ter um interesse escondido nisso