Tempo
|
A+ / A-

WikiLeaks

Detenção de Assange? "Não é coisa que me interesse", diz Trump

11 abr, 2019 - 19:59 • Lusa com Redação

Declarações do Presidente norte-americano contrastam com as proferidas durante a campanha para as eleições de 2016, quando elogiou a WikiLeaks mais de uma centena de vezes, chegando mesmo a afirmar: "Eu adoro a Wikileaks".

A+ / A-

Leia também:


O Presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou esta quinta-feira “não saber nada sobre a WikiLeaks”, apesar de ter anteriormente elogiado muitas vezes a organização responsável pela divulgação de informação secreta do Governo dos Estados Unidos.

Inquirido na Sala Oval sobre a detenção do fundador da WikiLeaks, Julian Assange, em Londres, Trump, que estava sentado ao lado do seu homólogo sul-coreano, Moon Jae-in, respondeu: "Não é coisa que me interesse".

"Sei que é qualquer coisa relacionada com Julian Assange. Eu tenho estado a ver o que aconteceu com Assange e isso será um fator decisivo, imagino, sobretudo para o procurador-geral, que está a fazer um excelente trabalho. E portanto, ele tomará uma decisão. Eu, realmente, nada sei sobre ele. Não é o que eu faço na vida", acrescentou.

Uma posição que contrasta com a adotada durante as semanas finais da campanha para as eleições presidenciais de 2016, das quais saiu vencedor, em que elogiou a WikiLeaks mais de 100 vezes, chegando a afirmar: "Eu adoro a Wikileaks!".

Julian Assange detido no Reino Unido
Julian Assange detido no Reino Unido

No outono desse ano, a WikiLeaks divulgou embaraçosas mensagens de correio eletrónico roubadas à campanha presidencial da sua adversária, a democrata Hillary Clinton.

O fundador do portal WikiLeaks foi hoje detido em Londres com base em duas acusações: uma por quebra das medidas de coação que levou a um mandado de detenção em 2012 por um tribunal londrino e a segunda na sequência de um pedido de extradição dos Estados Unidos, que o acusam de "pirataria informática" e conspiração.

Julian Assange, nascido há 47 anos na Austrália, foi detido esta manhã no interior da embaixada do Equador na capital britânica, onde se encontrava há cerca de sete anos, depois de Quito lhe ter retirado o direito de asilo.

Um juiz britânico ouviu hoje Assange e considerou o fundador do WiliLeaks culpado por ter violado os termos da sua liberdade condicional, uma acusação que pode resultar numa pena de até 12 meses de prisão no Reino Unido.

As acusações norte-americanas relativas à publicação de dezenas de milhares de documentos governamentais secretos poderão levar a uma batalha judicial para tentar extraditá-lo para os Estados Unidos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.